2 eventos ao vivo

Menos de 1 mês após invasão, Instituto Royal encerra atividades em SP

Associados decidiram, em assembleia, interromper pesquisas com animais, alegando insegurança e danos irreparáveis

6 nov 2013
13h19
atualizado às 15h20
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>Instituto Royal decidiu encerrar pesquisas com animais em sede de São Roque, no interior de São Paulo</p>
Instituto Royal decidiu encerrar pesquisas com animais em sede de São Roque, no interior de São Paulo
Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

O Instituto Royal anunciou nesta quarta-feira que decidiu interromper definitivamente as atividades de pesquisas animais realizadas em seu laboratório de São Roque, no interior de São Paulo, menos de um mês após ser invadido por ativistas que acusam a instituição de maus-tratos. Segundo o instituto, a decisão levou em conta "as elevadas e irreparáveis perdas" decorrentes da invasão, além do clima de insegurança criado desde então.

Você sabia: por que os beagles são usados em pesquisas de medicamentos?

"Tendo em vista as elevadas e irreparáveis perdas e os danos sofridos em decorrência da invasão realizada no último dia 18 - com a perda de quase todo o plantel de animais e de aproximadamente uma década de pesquisas -, bem como a persistente instabilidade e a crise de segurança que colocam em risco permanente a integridade física e moral de seus colaboradores, os associados concluíram que está irremediavelmente comprometida a atuação do Instituto Royal para dar continuidade à realização pesquisa científica e testes mediante utilização de animais. Por este motivo, o instituto decidiu encerrar suas atividades na unidade de São Roque", anunciou a direção do Royal.

De acordo com o Instituto Royal, o encerramento das atividades levará à demissão de funcionários, que já foram comunicados da decisão. "A decisão, por ora, não afetará a unidade Genotox, de Porto Alegre (RS), onde não se faz experimentação animal", completou o instituto, que também manterá em funcionamento o Comitê de Ética, "formado por colaboradores do laboratório, que conta com veterinários, biólogos e membros da Sociedade Protetora dos Animais, conforme a legislação vigente".

Os animais remanescentes no instituto continuarão recebendo "tratamento e destinação adequados", garante a instituição, que lamentou a interrupção de pesquisas com testes pré-clínicos para o desenvolvimento de medicamentos para o tratamento de doenças como câncer, diabetes, hipertensão, epilepsia, entre outros. "Com essa decisão, interrompe-se o trabalho do único instituto laboratorial do Brasil capacitado e regulamentado para exercer este tipo de pesquisa. A partir de agora, qualquer empresa interessada na realização de testes para registro de medicamento será obrigada a realizar suas pesquisas fora do País, até que outro laboratório seja credenciado pelo Concea (Conselho Nacional de Controle e Experimentação Animal) para essa atividade", cita o instituto.

Segundo a direção do Royal, a invasão ao laboratório foi resultado de dois fatores complementares: "as inverdades disseminadas de forma irresponsável - e por vezes oportunista - associadas à falta de informação pré-existente". "Uma sociedade organizada e civilizada não pode aceitar que a pesquisa científica seja constrangida por grupos de opinião que preferem o uso da força e da violência em detrimento das vias institucionais e democráticas para travar debates", critica a instituição.

"O ambiente de insegurança gerou - e continuará gerando - prejuízos para a ciência brasileira, na medida em que não assegura aos cientistas um ambiente institucional adequado para o desenvolvimento de pesquisas cujo objetivo, em última análise, é o de salvar vidas. A consequência deste cenário de hostilidade é o desestímulo à fixação e permanência das melhores mentes científicas em nosso País", diz o instituto em nota. "O prejuízo causado ao Instituto Royal não é mensurável. Mas é certo que o Brasil inteiro perde muito com este episódio, lamentavelmente", conclui.

Ativistas retiram animais de instituto
Ativistas invadiram, por volta das 2h de 18 de outubro de 2013, a sede do Instituto Royal, em São Roque, no interior de São Paulo, para o resgate de cães da raça beagle que seriam usados em pesquisas científicas. Mais tarde, coelhos também foram retirados do local. Cerca de 150 pessoas participaram da invasão. Ao todo, 178 cães foram retirados do instituto. O centro de pesquisas era alvo de frequentes protestos de organizações pelos direitos dos animais.

Os beagles são usados por ter menos variações genéticas, o que torna os resultados dos testes mais exatos. Apesar de os ativistas relatarem diversas irregularidades, perícia feita no Instituto Royal não constatou indícios de maus-tratos aos animais. No dia seguinte à invasão, um novo protesto terminou em confronto entre policiais militares e manifestantes e provocou a interdição da rodovia Raposo Tavares. Quatro pessoas foram detidas.

Em nota, o Instituto Royal refutou as alegações dos manifestantes. "O instituto não maltrata e nunca maltratou animais, razão pela qual nega veementemente as infundadas e levianas acusações de maltrato a seus cães. Sobre esse ponto, o instituto lamenta que alguns de seus cães, furtados na madrugada da última sexta-feira, estejam sendo abandonados", diz a nota, acrescentando que todas as atividades desenvolvidas no local são acompanhadas por órgãos de fiscalização.

Segundo o instituto, a invasão de sua sede constituiu um "ato de grave violência, com sérios prejuízos para a sociedade brasileira, pois dificulta o desenvolvimento de pesquisa científica no ramo da saúde". A invasão ao local, de acordo com a posição do Royal, provocou a perda de pesquisas e de um patrimônio genético que levou mais de dez anos para ser reunido. O instituto também informou que os animais levados durante a invasão, quando recuperados, serão recolhidos e receberão o tratamento veterinário adequado, podendo ser colocados para adoção.

Marcelo Morales, coordenador do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (Concea) - órgão responsável pela fiscalização do setor -, afirmou que nenhum animal retirado do laboratório sofria maus-tratos ou tinha mutilações. De acordo com o médico, o instituto era acompanhado pelo Concea, ligado aos ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação e da Saúde, nos testes para medicamentos coadjuvantes na cura do câncer, além de antibióticos e fitoterápicos da flora brasileira, feitos a partir de moléculas descobertas por brasileiros. "Milhões de reais foram jogados no lixo e anos de pesquisas para o benefício dos brasileiros e dos animais também foram perdidos", disse o pesquisador.

Veja também:

Assis Chateaubriand: criança de 11 anos morre após cair em buraco e se afogar
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade