4 eventos ao vivo

"Marcha das Vadias" pede descriminalização do aborto no Brasil

30 mai 2015
21h26
  • separator
  • comentários

Um grupo de manifestantes pediu neste sábado, durante a chamada "Marcha das Vadias", a descriminalização do aborto no Brasil no evento que percorreu a Avenida Paulista, no centro de São Paulo, e que protestou contra o atual conservadorismo do Congresso Nacional.

A legalização do aborto foi a principal reivindicação da quinta edição da marcha, que reuniu na maior cidade do Brasil cerca de 150 manifestantes segundo a Polícia ou 2.000 de acordo com as organizadoras.

A manifestação foi promovida por uma organização que, com o uso de vestimentas provocadoras, roupa de baixo e até com os seios de fora, luta contra a "crença machista" de que as mulheres, pela forma insinuante em que supostamente se vestem, têm parte da culpa quando são estupradas ou assediadas sexualmente.

A Marcha das Vadias faz parte de um movimento internacional que se estendeu por todo o mundo a partir de uma manifestação em Toronto em abril de 2011.

A organização mudou este ano suas bandeiras para defender a descriminalização do aborto e para exigir mudanças em um Congresso que, admitem, dificilmente apoiará esta iniciativa por contar com uma maioria conservadora em que se destacam líderes evangélicos.

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, defensor das causas evangélicas, foi o principal alvo de críticas das manifestantes.

"Fora Eduardo Cunha" e "Aborto ilegal é um feminicídio de Estado" eram algumas das frases que os manifestantes pintaram em seus corpos.

"A 'Marcha das Vadias' luta basicamente contra a penalização das mulheres pela violência que elas sofrem, especialmente sexual. Este ano resolvemos defender a legalização do aborto porque temos um Congresso muito conservador que já rejeitou o assunto e estamos aqui para dizer a ele que vão ter de aprová-lo", disse a psicóloga Isabel Bernardes, uma das líderes da organização.

Os manifestantes criticaram especialmente a pressão de legisladores evangélicos que impediram que avance no Congresso qualquer projeto que possa ampliar os casos em que o aborto seja considerado legal no Brasil.

A legislação brasileira autoriza o aborto em casos de estupro, risco de vida para a mãe e quando o feto sofre de anencefalia.

As militantes qualificaram a ilegalidade do aborto como um feminicídio de Estado e lembraram que a presidente Dilma Rousseff sancionou em março uma lei que tipifica o feminicídio como crime no Brasil.

EFE   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade