Brasil

publicidade
21 de abril de 2013 • 15h45 • atualizado às 15h49

Joaquim Barbosa é homenageado com Medalha da Inconfidência em MG

Governador de MG, Antonio Anastasia, entrega colar a Joaquim Barbosa
Foto: Wellington Pedro / Divulgação
 

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Joaquim Barbosa, mineiro de Paracatu, foi homenageado neste domingo em Ouro Preto pelo governador do Estado, Antonio Anastasia, durante as comemorações do feriado de Tiradentes e da Inconfidência Mineira. O ministro foi o orador oficial da 62ª solenidade de entrega da Medalha da Inconfidência e foi contemplado com o Grande Colar, um reconhecimento dos serviços prestados ao País.

Em seu discurso, Barbosa afirmou que a atual jurídica no Brasil é baseada no direito à liberdade, e da igualdade, preconizado por Tiradentes, mártir do movimento de independência promovido no Estado.  “É a consagração desse último princípio que impõe ao Estado o dever de garantir a igualdade de todos, sobretudo mediante políticas públicas voltadas a conferir direitos e a outorgar proteção àqueles que eventualmente se encontrem em situação de vulnerabilidade. (...) O princípio da igualdade consiste em tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais na medida em que eles se desigualam”, disse.

Joaquim Barbosa, do STF, discursa na cidade mineira de Ouro Preto
Foto: Omar Freire / Divulgação

Além do ministro, 163 personalidades e entidades que contribuíram para o desenvolvimento de Minas e do Brasil receberam honrarias. Maior homenagem concedida pelo Estado de Minas Gerais, a Medalha da Inconfidência é entregue anualmente e tem quatro designações: Grande Colar, Grande Medalha, Medalha de Honra e Medalha da Inconfidência, conforme a assessoria.

Também foram homenageados o ministro de Ciência e Tecnologia, Marco Antônio Raupp, o vice-governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando de Souza, os ministros Luiz Philippe Vieira de Mello Filho (Tribunal Superior do Trabalho), Laurita Hilário Vaz (Superior Tribunal de Justiça), Rosa Maria Weber Candiota da Rosa (Supremo Tribunal Federal) e Sebastião Alves dos Reis Júnior (Superior Tribunal de Justiça).

Terra Terra