PUBLICIDADE

Itamaraty diz que não vai pagar retorno de brasileira da Turquia

Maisa Ildefonso Lima, uma das feridas em queda de balão na Capadócia, não tem dinheiro para retornar ao País

9 jun 2013 13h03
| atualizado às 13h24
ver comentários
Publicidade

Internada desde o dia 20 de maio na Turquia, vítima de um acidente entre dois balões de ar na região da Capadócia, a advogada Maisa Ildelfonso Lima precisa de US$ 100 mil para pagar um avião-UTI e retornar ao Brasil, mas não tem o dinheiro e não contará com o auxílio do Ministério das Relações Exteriores. De acordo com a assessoria do Itamaraty, não existe a previsão legal para o pagamento desse tipo de traslado. Ela contratou um seguro da empresa Córis, com cobertura de R$ 85 mil em despesas hospitalares ou repatriação sanitária. Quando o valor é ultrapassado, o paciente deve pagar o restante.

Itamaraty: ao menos 980 brasileiros morreram no exterior em 2012
É seguro voar de balão? Quais são os principais riscos?

"Não tem muito o que fazer. Há um limite estabelecido para a assistência consular, que está dando apoio constante desde que ocorreu o acidente. Não há previsão legal para pagar pelo retorno dela, e um transporte de US$ 100 mil é muito caro e pode comprometer o orçamento do ano todo da embaixada", afirmou o ministéiro. 

A advogada teve perfuração no pulmão, quebrou ossos do corpo e passou por cinco cirurgias. Depois de deixar a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), ela foi para um quarto e já teve seu retorno liberado pelos médicos para recuperação no Brasil, o que só pode ocorrer no avião-UTI devido à complexidade dos ferimentos. 

"O Itamaraty deslocou uma equipe da embaixada em Ancara para a região da Capadócia e esperou até obter a garantia de que todos os feridos estariam internados e tratados. Depois, fizemos o de praxe, que é retornar ao local de trabalho e acompanhar o tratamento por telefone. Também temos outros brasileiros para atender, mesmo sabendo da gravidade dos feridos no balão", ressaltou a assessoria do ministério.

Os feridos estão em hospitais nas cidades de Nevsehir e Kayseri, distantes 100 quilômetros uma da outra, e as principais na região da Capadócia - que fica a cerca de 300 quilômetros de Ancara. Equipes da embaixada apoiam com tradução, auxílio jurídico e questões referentes à assistência médica.

Veja detalhes de acidente que causou mortes de brasileiras:

Dos sete brasileiros envolvidos, três morreram. Estes, reforça a embaixada, receberam assistência para o transporte dos corpos da Turquia para o Brasil, cuja chegada se deu em 1° de junho, segundo o ministério. "A Embaixada segue apoiando os familiares na recuperação de seus pertences e na obtenção de documentos relativos ao caso", salienta o Itamaraty. O Terra entrou em contato com a seguradora Córis, que informou não revelar informações de clientes.

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade