inclusão de arquivo javascript

 
 

Deputado Pedro Henry é absolvido pela Câmara

15 de março de 2006 19h31 atualizado às 20h53

Pedro Henry se defende em plenário. Foto: Agência Câmara/Divulgação

Pedro Henry se defende em plenário
Foto: Agência Câmara/Divulgação

O deputado Pedro Henry (PP) foi absolvido da acusação de envolvimento no "mensalão" nesta quarta-feira em votação na Câmara dos Deputados. A absolvição, já recomendada pelo Conselho de Ética, foi aprovada por 255 votos a 176.

  • Deputados protestam contra acordão
  • Opine sobre a absolvição do deputado

    O deputado é acusado de envolvimento no recebimento de R$ 700 mil por parte do PP. Ele foi o quinto envolvido no esquema do mensalão a ser absolvido no plenário. Os outros deputados que tiveram suas cassações arquivadas foram Professor Luizinho (PT-SP), Sandro Mabel (PL-GO), Romeu Queiroz (PTB-MG) e Roberto Brant (PFL-MG).

    Pedro Henry, que não assistiu à contagem dos votos em plenário, disse estar aliviado e tranqüilo com o resultado. Ele afirmou ter conseguido o que mais queria, que era resgatar a sua dignidade. Apesar disso, o deputado disse que é lógico que sai machucado, pois este é um caminho dificil para qualquer ser humano. "Apesar disso, não guardo mágoa de ninguém", disse.

    Idagado se irá continuar na política, Henry disse que quem vai decidir sobre isso, é o povo de Mato Grosso, dando a entender que irá se candidatar novamente.

    No relatório do Conselho de Ética, o relator Carlos Sampaio (PSDB-SP), responsabiliza dos deputados José Janene (PP-PR) e Pedro Corrêa (PP-PE) nos pagamentos feitos ao PP pelas empresas de Marcos Valério Fernandes de Souza.

    Para o líder do PSB na Câmara, deputado Renato Casagrande, o fato de o deputado ter ido a plenário com relatório favorável do Conselho de Ética pesa muito na decisão dos votantes. Segundo ele, o resultado de absolver dois deputados na semana passada não influenciou na decisão de hoje. "O resultado já é esperado. No próximo, no entanto, temos esperança que será diferente", afirmou, se referindo à votação do processo que pede a cassação de Pedro Correa (PP-PE), que inciará a seguir. O líder disse ainda que a tendência em plenário é ir com o relatório proveniente do Conselho.

  • Redação Terra