inclusão de arquivo javascript

 
 

"Rola receio de não convencer como vilã", diz Carolina Dieckmann

10 de dezembro de 2005 13h00

Carolina Dieckmann será a Leona de  Coração de Ouro. Foto: Pedro Paulo Figueiredo/TV Press

Carolina Dieckmann será a Leona de Coração de Ouro
Foto: Pedro Paulo Figueiredo/TV Press

Não é todo dia que uma mesma atriz é disputada por três autores. Carolina Dieckmann ainda estava festejando o convite de Benedito Ruy Barbosa para fazer sua primeira novela de época quando recebeu um telefonema do diretor Ricardo Waddington, de Sinhá Moça, a próxima do horário das seis, avisando que ela havia sido remanejada para Coração de Ouro, a próxima das sete.

"Virei a antipática por causa do Vesgo", diz Carolina Dieckmann

A decepção só não foi maior porque, se deixou de fazer uma produção ambientada no século 19, vai ter a chance de interpretar a primeira vilã da carreira na trama de João Emanuel Carneiro. "Até rola receio de não convencer como vilã, mas a determinação e a vontade de acertar são maiores. Quero provar que não sou o anjo cor-de-rosa que as pessoas pensam", provoca.

Alegria de João Emanuel, tristeza de Manoel Carlos. Autor de Páginas da Vida, a próxima das oito, ele também já havia reservado um papel para Carolina em sua novela. "Puxa, Maneco, vai ser a primeira novela sua a que eu vou poder assistir do início ao fim", minimizou a atriz, que participou de Por Amor, Laços de Família e Mulheres Apaixonadas.

Na verdade, a decisão da Globo foi estratégica. Prevista para estrear em abril de 2006, a trama de João Emanuel tem a difícil tarefa de erguer a combalida audiência das sete, que balança em torno de 25 pontos com Bang Bang, de Mário Prata, num horário que a emissora só se satisfaz com mais de 30 pontos.

Alheia ao planejamento da emissora, a atriz limita-se a dizer que está feliz por debutar no papel de megera. Até receber o convite para fazer a pérfida Leona, Carolina só fez mocinhas indubitavelmente imaculadas, como a romântica Açucena, de Tropicaliente, a sofrida Camila, de Laços de Família, e a virginal Edwiges, de Mulheres Apaixonadas.

Na trama de João Emanuel, Leona é uma das sobrinhas do bilionário Omar Pasquim, personagem reservado a Tarcísio Meira. Assim que descobre que tem poucos dias de vida, o ricaço resolve deixar sua herança para Bel, sua sobrinha favorita. A mal-agradecida, porém, só quer saber do namorado Estevão.

Já Leona não só está interessada em herdar a fortuna do "tio", como também está de olho no namorado da irmã. Para azar de Tiago Worcman, namorado de Carolina: o garoto já foi avisado que a personagem da atriz vai "pegar geral". "Coitado do Tiago! Ele está histérico. Se já não via Senhora do Destino por causa do Dan Stulbach, agora então", diverte-se, com ar maroto.

Mas a preocupação de acalmar o namorado não é a maior para Carolina. Mais importante para ela é convencer o filho, o pequeno Davi, de que a mãe não virou uma bruxa. "Filhinho, agora que você sabe que papai não é cego, precisa saber também que mamãe não é má, está bem?", graceja, referindo-se ao ex-marido, o ator Marcos Frota, que interpretou o Jatobá, em América.

TV Press