inclusão de arquivo javascript

 
 

Amazonas decreta calamidade devido à seca

11 de outubro de 2005 04h59 atualizado às 09h30

Pescadores do Amazonas enfrentam seca. Foto: Reuters

Pescadores do Amazonas enfrentam seca
Foto: Reuters

O governador Eduardo Braga (PMDB) decretou estado de calamidade pública em todo o Amazonas devido à seca nos rios da bacia amazônica. A seca atinge 36 dos 62 municípios e cerca de R$ 10 milhões devem ser liberados pela Secretaria da Fazenda para gastos emergenciais.

O decreto de calamidade pública permite compras sem licitações para atender necessidades da população. Esta é a mais grave seca dos últimos 40 anos no Amazonas e as conseqüências são incêndios, doenças e a morte de milhões de peixes.

Em alguns pontos, piranhas debatem-se na água rasa, com profundidade de apenas 5 centímetros, o que restou do rio Paraná de Manaquiri, um afluente do Amazonas. Milhares de peixes podres jaziam nas margens secas do rio. A seca, já dura dois meses e vem deixando a população ribeirinha sem alimentos, pois não pode pescar nem plantar.

Há cientistas que responsabilizam pela seca uma elevação da temperatura dos oceanos, provocada pelo aquecimento global. O fenômeno também foi relacionado com os recentes furacões de grande intensidade que atingiram os Estados Unidos e a América Central.

A elevação do ar no Atlântico Norte pode ter feito com que o ar que fica acima da Amazônia tenha descido, impedindo a formação de nuvens e a precipitação, afirmaram cientistas.

Redação Terra