inclusão de arquivo javascript

 
 

Maiores emissoras de TV entram em guerra no horário nobre

12 de agosto de 2009 21h04 atualizado em 13 de agosto de 2009 às 11h40

O 'Jornal da Record' mostrou o tempo que cada emissora teria dedicado à cobertura da ação ação criminal contra membros da Igreja Universal do Reino de .... Foto: Reprodução

O 'Jornal da Record' mostrou o tempo que cada emissora teria dedicado à cobertura da ação ação criminal contra membros da Igreja Universal do Reino de Deus
Foto: Reprodução

A Rede Record e a Rede Globo trocaram acusações ao mesmo tempo na noite desta quarta-feira durante seus principais telejornais. Enquanto o Jornal Nacional voltava a dar espaço para as denúncias contra o bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, o Jornal da Record buscou elementos na história para criticar a concorrente, afirmando que a emissora da família Marinho sente sua audiência ameaçada.

O Jornal Nacional abriu sua edição com a notícia de que o Ministério Público de São Paulo pedirá ajuda internacional para rastrear movimentações financeiras na investigação contra Edir Macedo. O telejornal mostrou uma reportagem do jornal O Estado de S. Paulo segundo a qual dinheiro dos fiéis da Igreja Universal era desviado para a compra de empresas de comunicação. A Globo utilizou várias imagens de arquivo de fiéis doando dinheiro em cultos da Universal.

Já o telejornal da emissora de Edir Macedo segurou a reportagem sobre a Rede Globo, levando-a ao ar instantes depois do início do Jornal Nacional. A reportagem classificou a TV Globo como tendenciosa e afirmou que a emissora "nasceu de uma ação ilícita de um governo ditatorial". A TV do bispo da Universal também disse que a concorrente manipulou o processo eleitoral em 1989 ao editar um debate entre os então candidatos Fernando Collor de Melo e Luiz Inácio Lula da Silva.

A Record também citou o caso da Proconsult - tentativa de fraude para evitar que Leonel Brizola (PDT) ganhasse as eleições para o governo do Rio de Janeiro - e afirmou que a emissora de Roberto Marinho apoiou o regime militar. Para os ataques, a reportagem utilizou até mesmo uma fala de Brizola e um direito de resposta do ex-governador morto em 2004, lido pelo apresentador Cid Moreira no Jornal Nacional.

A troca de acusações partiu da notícia veiculada ontem de que a Justiça de São Paulo acatou denúncia contra Edir Macedo e outras oito pessoas. A Record disse que a TV Globo deu muito espaço para a notícia. Segundo a emissora de Edir Macedo, a reportagem da Globo tinha 10 minutos de duração, contra quatro minutos do SBT e dois da TV Bandeirantes.

Redação Terra
  1. O Jornal da Record mostrou o tempo que cada emissora teria dedicado à cobertura da ação criminal contra membros da Igreja Universal do Reino de Deus  Foto: Reprodução

    O Jornal da Record mostrou o tempo que cada emissora teria dedicado à cobertura da ação criminal contra membros da Igreja Universal do Reino de Deus

    Foto: Reprodução

  2. Durante cerca de 15 minutos, o Jornal da Record destacou os trabalhos sociais da Igreja e atacou a rival Globo  Foto: Reprodução

    Durante cerca de 15 minutos, o Jornal da Record destacou os trabalhos sociais da Igreja e atacou a rival Globo

    Foto: Reprodução

  3. A Record vinculou a Globo à ditadura militar, mostrando a leitura do direito de resposta de Leonel Brizola, na voz de Cid Moreira  Foto: Reprodução

    A Record vinculou a Globo à ditadura militar, mostrando a leitura do direito de resposta de Leonel Brizola, na voz de Cid Moreira

    Foto: Reprodução

  4. A Record usou imagens de arquivo das eleições de 1989 para atacar a Globo  Foto: Reprodução

    A Record usou imagens de arquivo das eleições de 1989 para atacar a Globo

    Foto: Reprodução

  5. No Jornal Nacional de terça-feira, a Globo exibiu imagens de arquivo do bispo Edir Macedo   Foto: Reprodução

    No Jornal Nacional de terça-feira, a Globo exibiu imagens de arquivo do bispo Edir Macedo

    Foto: Reprodução

  6. O primeiro bloco do JN de terça foi dedicado à abertura de ação criminal contra membros da Iurd, por formação de quadrilha e lavagem de dinheiro  Foto: Reprodução

    O primeiro bloco do JN de terça foi dedicado à abertura de ação criminal contra membros da Iurd, por formação de quadrilha e lavagem de dinheiro

    Foto: Reprodução

/brasil/foto/0,,00.html