inclusão de arquivo javascript

 
 

Polícia apura se jovem que diz ter matado 30 é serial killer

06 de julho de 2009 20h58 atualizado às 22h34

Chico Siqueira

Direto de Araçatuba


As polícias de São José do Rio Preto (SP) e de Aparecida do Taboado (MS) investigam uma adolescente de 17 anos que confessou, na tarde desta segunda-feira, ter praticado, desde 2006, cerca de 30 homicídios, todos a facadas. Onze deles foram relatados com detalhes.

A jovem disse ao delegado Mauro Truzzi Otero, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Rio Preto, que confessou os crimes porque não aguentava mais o "peso na consciência" e porque queria "se livrar disso quando completar 18 anos".

A garota foi apreendida por causa de uma briga no Jardim Maria Lucia, periferia de São José do Rio Preto. Levada ao plantão policial, ela confessou um dos crimes. Hoje de manhã, levada à DIG, ela afirmou ter praticado cerca de 30 homicídios e contou com detalhes 11 deles, que estão sendo checados pelas polícias de Rio Preto e Aparecida do Taboado (MS).

Segundo o delegado, a maioria dos homicídios teria ocorrido na região de Aparecida do Taboado, cidade na divisa com São Paulo, onde moram os familiares da menina. "Sete crimes teriam ocorrido lá, outros teriam sido em Santa Fé do Sul (SP), Pontes de Lacerda (MS), Capelinha (MG), Cáceres (MT) e Várzea Grande (MT)", contou o delegado.

Todas as vítimas eram homens adultos. A polícia conseguiu confirmar que os relatos da garota batem com pelos menos dois homicídios ocorridos em Aparecida do Taboado. Um deles foi o assassinato de um pedófilo, morto a facadas. "Esse cara eu matei porque ele mexia com as meninas de 9, 10 anos. Comigo ele nunca mexeu", contou a adolescente ao delegado. Mas, segundo a investigação, ela não agiu sozinha. "Hoje, a polícia trabalha com possibilidade de que o comparsa seja um policial militar, mas ela disse aqui que se trata de outra pessoa", afirmou Otero.

Outro crime seria de um homem que consta como desaparecido. "Ela disse que matou o rapaz e roubou o Fiat Palio", disse Otero. "As semelhanças são muito grandes, mas tudo tem de ser checado, não dá para dizer que ela está mentindo, mas também não podemos afirmar que ela está falando totalmente a verdade. O que estamos fazendo é investigar se ela é realmente uma serial (killer)".

Outro crime relatado teria ocorrido no dia 1º de janeiro de 2007. "Entrei o ano matando", contou ela à polícia. "Enfiei a faca no pescoço dele e voou sangue no sapato da minha prima. Minha avó viu."

A garota foi levada nesta noite para Aparecida do Taboado, onde vai passar por investigações para confirmar a autoria dos homicídios. De acordo com Otero, ela disse ter praticado os crimes por vários motivos. "Um dos motivos alegados é que ela era contratada para praticar os crimes e porque, em alguns dos casos, brigava com a vítima", contou o delegado. Segundo ele, a adolescente disse que, embora fosse usuária de cocaína, em nenhum dos crimes estava sob efeito de entorpecentes.

Especial para Terra