inclusão de arquivo javascript

 
 

Índios criam trilha "medicinal" em aldeia para gerar renda

19 de abril de 2009 11h49 atualizado às 11h51

Professor Marcos exibe relógio Guarani construído em trilha. Foto: Fabrício Escandiuzzi/Especial para Terra

Professor Marcos exibe relógio Guarani construído em trilha
Foto: Fabrício Escandiuzzi/Especial para Terra

Fabrício Escandiuzzi

Direto de Florianópolis


Os índios guaranis de Biguaçu, cidade da região metropolitana de Florianópolis (SC), desenvolveram uma trilha ecológica e medicinal no interior da aldeia para criar uma fonte alternativa de renda para a comunidade.

A trilha Tape Poty, ou Caminho das Flores na língua guarani, existe há quase um ano. A proposta tem chamado a atenção por possibilitar ao visitante um contato direto com a cultura indígena e com as ervas usadas por pajés no tratamento de diversos males.

A aldeia Yynn Moroti Wherá (que significa Reflexo da Água Cristalina) é localizada às margens da BR-101 e conta atualmente com 125 moradores. A trilha é cobrada e o percurso, acompanhado por um guia indígena.

A principal fonte de renda dos índios locais é a venda de produtos de artesanato, construídos com material encontrado na própria mata. Não é raro encontrá-los expondo os produtos pelas ruas do centro de Florianópolis.

"Pensamos na trilha como forma de mostrar e valorizar nossa cultura, mas também para tentar melhorar a situação das nossas famílias", disse o professor Geraldo Moreira, um dos criadores da trilha ecológica. "Também trabalhamos nela como forma de ensinar valores de preservação da mata e de disciplinas do currículo escolar aos nossos alunos."

O responsável pela trilha, professor Marcos Karaí Moreira, explica que as crianças da escola local auxiliaram a construir alguns pontos do percurso, como uma réplica de uma aldeia de séculos passados.

A Casa de Reza, espaço sagrado da aldeia e onde os guaranis realizam os seus rituais diários, é um dos pontos mais importantes do percurso. "Ela foi construída com a ajuda das crianças da escola. Aqui mostramos a elas, na prática, todos os ensinamentos das aulas de matemática", destacou. "Montando, eles aprenderam a questão de tamanhos e medidas que mostramos na aula."

Com cerca de 1 km, o trajeto é bastante tranquilo e com várias "lições" para o visitante. As tintas usadas em rituais e os pequenos detalhes de peças de artesanato podem ser encontrados na mata. Um relógio guarani, onde é possível ver as horas e a estação do ano apenas com a presença do sol é outro ponto marcante.

Nas árvores estão as soluções para males que ainda atormentam o homem moderno, como úlcera, tuberculose e problemas capilares. Também é sinalizado na trilha um anticoncepcional masculino, que deve ser tomado seguindo a lua e em forma de chá. "Se tomar no dia certo, não precisará que a mulher tome remédios", garante o indígena.

O caminho é percorrido juntamente com um guia da aldeia, que explica as propriedades das plantas e fala sobre a cultura local. Marcos afirmou que em pouco mais de dez meses de atividades, a trilha dos Guaranis recebeu mais de 130 escolas, gerando um recurso "extra" para a comunidade local.

Grupos e turistas estrangeiros também estão começando a visitar o lugar. "Recebemos visitantes da Alemanha há algum tempo", contou. "Trabalhamos a sustentabilidade de nossa floresta, a divulgação da cultura indígena é uma forma de melhorar as condições de nosso povo. Vivemos exclusivamente do artesanato que produzimos graças à floresta."

A trilha começa e termina na escola local e o contato com os visitantes é uma grande atração também para as crianças da aldeia. Ao final, chama a atenção o fato dos muros ao lado das salas de aula estarem todos pintados com um mapa da trilha, desenhos de índios e também dos animais avistados na mata. "Toda a história de nossa aldeia está desenhada nos muros e paredes de nossa escola para as crianças relembrarem todos os dias", explicou Marcos.

Especial para Terra
  1. Professor Marcos exibe relógio Guarani construído em trilha: sol mostra horas e estações do ano  Foto: Fabrício Escandiuzzi/Especial para Terra

    Professor Marcos exibe relógio Guarani construído em trilha: sol mostra horas e estações do ano

    Foto: Fabrício Escandiuzzi/Especial para Terra

  2. Casa de Reza, usada pelos indígenas para cerimoniais é uma das atrações da trilha  Foto: Fabrício Escandiuzzi/Especial para Terra

    Casa de Reza, usada pelos indígenas para cerimoniais é uma das atrações da trilha

    Foto: Fabrício Escandiuzzi/Especial para Terra

  3. Professor Marcos realiza a trilha  Foto: Fabrício Escandiuzzi/Especial para Terra

    Professor Marcos realiza a trilha

    Foto: Fabrício Escandiuzzi/Especial para Terra

  4. Placas indicam finalidade das árvores e plantas localizadas no interior da aldeia  Foto: Fabrício Escandiuzzi/Especial para Terra

    Placas indicam finalidade das árvores e plantas localizadas no interior da aldeia

    Foto: Fabrício Escandiuzzi/Especial para Terra

  5. Placas indicam finalidade das árvores e plantas localizadas no interior da aldeia  Foto: Fabrício Escandiuzzi/Especial para Terra

    Placas indicam finalidade das árvores e plantas localizadas no interior da aldeia

    Foto: Fabrício Escandiuzzi/Especial para Terra

  6. Placas indicam finalidade das árvores e plantas localizadas no interior da aldeia  Foto: Fabrício Escandiuzzi/Especial para Terra

    Placas indicam finalidade das árvores e plantas localizadas no interior da aldeia

    Foto: Fabrício Escandiuzzi/Especial para Terra

/brasil/foto/0,,00.html