inclusão de arquivo javascript

 
 

Aeroporto do Rio lidera acidentes com aves no Brasil

16 de janeiro de 2009 13h37

Os três maiores aeroportos brasileiros registram quase oito incidentes entre aviões e aves a cada mês. O Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro, lidera a lista de aeronaves que se chocam com pássaros. Em 2008, foram 50 registros. Aparecem, em seguida, os Aeroportos Internacionais de Guarulhos, com 25, e de Congonhas, com 16, ambos em São Paulo. Os dados são do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

» vc repórter: mande fotos e notícias
» Avião com 155 cai nos EUA

De acordo com o diretor técnico do Sindicato Nacional de Empresas Aeroviárias, Ronaldo Jenkins, incidentes com aves aumentam a cada ano devido, principalmente, ao crescimento do tráfego aéreo e ao desmatamento, que gera um deslocamento das aves para áreas com maior fluxo de ar, como os aeroportos. Os lixões e a ocupação irregular também são empecilhos para a segurança.

Esse foi o motivo pelo qual o piloto da aeronave da US Airways, com 155 pessoas a bordo, teve que fazer um pouso de emergência nas águas geladas do rio Hudson, em Manhattan, Nova York, ontem. Urubus teriam se chocado com as turbinas.

"Infelizmente, os aeroportos se tornam atrativos para as aves. Por outro lado, há a ocupação irregular do solo nas imediações dos aeroportos, embora exista uma legislação, resolução Conama nº 4, que trata da restrição de ocupação de área no entorno dos aeroportos e que criou a área de segurança aeroportuária. Apesar disso, ainda temos lixões, matadouros, curtume, vazadouros de lixo, atividades que atraem aves", explica Ronaldo Jenkins.

Para tentar diminuir o número de acidentes aéreos foi formada a Comissão do Perigo Aviário, que é uma entidade do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da qual fazem parte órgãos governamentais, como Ibama e Infraero e também empresas aéreas. Ronaldo Jenkins informou que os registros de incidentes são encaminhados para a Comissão, mas ainda é limitada a redução de impactos com aves.

Agência Brasil