inclusão de arquivo javascript

 
 

2010: Kassab defende aliança entre DEM, PSDB e PMDB

03 de novembro de 2008 15h08 atualizado às 18h10

O prefeito eleito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), defendeu nesta segunda-feira, no Palácio do Planalto, que o partido busque consolidar uma aliança com PSDB e PMDB em torno de um candidato em comum à presidência da República em 2010. De acordo com ele, apesar de não ser o momento de se discutir a sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, é "natural" que ele defenda uma aliança em nível nacional, considerando que na cidade de São Paulo os partidos já são aliados.

»Kassab pede renegociação a Lula
»vc repórter: mande fotos e notícias

"Na cidade de São Paulo, a maior cidade do País, existe uma aliança que vai muito bem dos Democratas com o PSDB, com o PMDB. E essa aliança também existe no campo estadual e também vai muito bem. É natural que eu queira, dentro do meu partido, defender que essa aliança exista a nível nacional, sabendo que um dos partidos, o PMDB, tem uma proximidade grande com o governo do presidente Lula. Em 2010 vamos sim, evidentemente, fazer com que essa aliança possa ser repetida em uma dimensão nacional", disse o prefeito, que foi recebido no início desta tarde pelo presidente Lula.

"Se uma aliança vai bem não só eleitoralmente, mas administrativamente na cidade de São Paulo e no estado de São Paulo, por que não defendermos que ela exista no plano nacional? Em 2010 acho muito natural nas conversas e entendimentos que se iniciarão neste ano que a gente possa examinar a elaboração, a constituição dessa aliança no plano nacional", opinou Kassab.

Candidato vitorioso na disputa em segundo turno contra a petista Marta Suplicy, o prefeito eleito afirmou que seu governo manterá os atuais projetos e poderá ampliar a gestão com novos programas. "Meu governo é um governo de continuidade, tanto é que foi eleito, foi eleito por conta da sua boa gestão", comentou, lembrando que assumiu a prefeitura para terminar o mandato de José Serra, que deixou o posto para disputar o governo de São Paulo.

"Não tem nenhum sentido não darmos continuidade a essas ações. Com a mesma equipe nós vamos procurar dar seqüência a nosso plano de governo, que foi aperfeiçoado, que foi ampliado ao longo da campanha no primeiro turno e depois no segundo turno com os novos aliados. Meu compromisso é com esse plano de governo, não é no plano pessoal. No plano administrativo será um governo de continuidade. Vamos dar continuidade a tudo e ampliar com novos programas", reforçou Kassab.

Ainda de acordo com o prefeito, não há disposição dele de eventualmente renunciar ao cargo no futuro para disputar outro cargo eletivo. "Todos sabem que essa foi a primeira eleição majoritária que disputei. As pessoas pedem para eu ficar os quatro anos, existe essa expectativa que eu fique e eu tenho esse compromisso de ficar. Existe uma expectativa que eu fique os quatro anos e eu ficarei os quatro anos", finalizou Kassab.

Especial para Terra