inclusão de arquivo javascript

 
 

Polícia: seqüestrador amarrava jovens para dormir

19 de outubro de 2008 10h52 atualizado em 20 de outubro de 2008 às 14h51

Apartamento da família de Eloá após o encerramento do seqüestro. Foto: Andre Henriques/Diário do Grande ABC/Especial para Terra

Apartamento da família de Eloá após o encerramento do seqüestro
Foto: Andre Henriques/Diário do Grande ABC/Especial para Terra

O delegado seccional da Polícia Civil Luis Carlos dos Santos afirmou nesta manhã que Lindemberg Alves, 22 anos, amarrava as jovens Nayara e Eloá com fitas e roupas para domir. Ele também disse que o seqüestrador chegou a agredir a ex-namorada mais de uma vez.

» Veja fotos do fim do seqüestro
» Veja: coma é irreversível, diz médica
» Amigos de ex-reféns rezam em hospital
» Opine sobre o desfecho da ação

Segundo Santos, Nayara não aparentou querer voltar ao apartamento em que Lindemberg Alves, 22 anos, mantinha a ex-namorada Eloá, 15 anos, refém. O delegado afirmou que a jovem mostrou-se aliviada quando foi libertada.

O seqüestrador será autuado por três tentativas de homicídio. A polícia considerou que ele tentou atingir o primeiro negociador a chegar ao local, quando Lindemberg disparou pela janela do apartamento. As outras duas acusações são por conta dos ferimentos à bala de Nayara e Eloá.

O delegado Luis Carlos dos Santos disse ainda que está confirmado que foi o jovem que atirou nas adolescentes.

O depoimento de Nayara é considerado essencial para a reconstituição do crime. Assim que ela tiver alta do hospital, ela falará com a polícia. "Ela pode esclarecer se houve ou não o disparo antes da invasão (da polícia)", disse o delegado.

Santos disse que 18 testemunhas já foram ouvidas. Entre elas, estão os cinco policiais que realizaram a invasão. Ainda será ouvida a vizinha do apartamento em frente ao de Eloá e os dois meninos que foram mantidos reféns no primeiro dia de seqüestro.

O seqüestro
O seqüestrador Lindemberg invadiu o apartamento da família da ex-namorada Eloá, na tarde de segunda-feira. Ela estava acompanhada da amiga Nayara e de dois colegas de escola. Eles fariam um trabalho para aula quando todos foram rendidos.

Lindemberg libertou os dois adolescentes na segunda-feira e Nayara na terça-feira, após mantê-la no apartamento por 33 horas. O seqüestro teria sido motivado pela recusa de Eloá de reatar o namoro. Na quinta-feira, Nayara voltou ao apartamento onde estavam Lindemberg e Eloá.

Especial para Terra