inclusão de arquivo javascript

 
 

Amazônia: desmate cai 27% nos meses mais secos

08 de outubro de 2008 20h16 atualizado às 20h53

O desmatamento na Amazônia nos meses mais secos do ano (junho, julho e agosto) caiu 27% em relação a 2007, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). De acordo com os números do sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter), do Inpe, este ano 649 km² foram desmatados no período na Amazônia, o menor nível dos últimos cinco anos, informou o Ministério do Meio Ambiente.

» Veja: desmate dobra em agosto
» Europa doa 5,8 milhões de euros
» Incra: Minc pede revisão de multas
» Desmatadores afetam 1,6 mil hectares

Em 2004, a área desmatada no período foi de 5.858 km², e o número vem caindo desde então. Nos meses de junho, julho e agosto ocorre, tradicionalmente, o maior volume de corte da floresta.

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, disse que os números mostram que sua gestão está conseguindo manter a tendência de queda registrada sob a administração da ex-ministra Marina Silva, que deixou o cargo em maio. "Mas os números não são bons. Temos que reduzir ainda mais o desmatamento na Amazônia", afirmou Minc, em comunicado do ministério.

Em agosto, o desmatamento mais do que dobrou na comparação com o mês anterior, divulgou o Inpe no final de setembro, somando 756 km². No acumulado de 2008, a área de floresta perdida soma 5.681 km².

Para conter o desmatamento, o Ministério do Meio Ambiente está implementando medidas de fiscalização, como o aumento do número de portais de fiscalização nos entroncamentos de rodovias na Amazônia. "Hoje são apenas dois, nas BRs 364 e 163, mas o objetivo é chegar a oito", segundo a nota.

Entre as medidas de combate à impunidade ambiental, o ministério anunciará na sexta-feira o ajuizamento de ações contra 90 desmatadores.

Reuters
Reuters - Reuters Limited - todos os direitos reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.