inclusão de arquivo javascript

 
 

Sanctis: atitude de Mendes é a "gota d'água" do Judiciário

15 de julho de 2008 05h32 atualizado às 05h34

O juiz federal Fausto Martin De Sanctis afirmou, nessa segunda-feira, que a atitude do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, que, em menos de dois dias, cassou duas ordens de prisão decretadas contra o banqueiro Daniel Dantas, é a "gota d'água" do Judiciário brasileiro.

» Entenda a Operação Satiagraha
» SP: 400 assinam manifesto
» Opine sobre as prisões na operação
» Leia mais notícias da agência JB

Sanctis, que participou de ato de desagravo promovido por juízes, promotores e procuradores, disse que os magistrados estão se sentindo desprestigiados.

"Freqüentemente somos ameaçados por decisões judiciais comuns", disse. "Por isso acredito que esse movimento representa um grito da magistratura, é a gota d'água. Hoje em dia não se julga mais o fato, julga-se o juiz. O fato concreto é o que menos importa."

Sobre o manifesto pró-Gilmar Mendes, que também ocorreu ontem à tarde, afirmou que o apoio não é imparcial, é promovido por advogados criminalistas que são bem pagos para fazer a defesa dos clientes.

"A imprensa deve fazer também papel de filtro", argumentou. "Acusação e defesa são partes. A manifestação das partes tem um interesse sempre. Não querendo desmerecer, mas tenham certeza de que há defesas que ganham muito para agir como parte."

Sanctis, que recebeu o apoio de cerca de 400 juízes, promotores e procuradores, criticou as liminares concedidas por um único juiz que decide sem ter acesso às provas nem aos argumentos do magistrado de primeira instância.

"A liminar individual por uma pessoa que não se debruçou sobre um fato complexo deveria, no mínimo, ser referendado pelos demais colegas (da corte)", acrescentou. "Uma pessoa sozinha desfaz o trabalho da polícia, que está há anos no caso, do Ministério Público, de umas 500 pessoas sérias. Muitas vezes isso é desfeito sem observar a prova, simplesmente sobre a abstração de direitos individuais", afirmou.

Sanctis, que foi criticado por Mendes, disse que não está se sentindo acuado e que, se fosse chamado novamente para decidir o caso Dantas, decretaria novamente as prisões. Sua única ambição, disse, é o salário líquido de juiz.

"Eu já passei por muita coisa e nunca me intimidei com nada."

Jornal do Brasil
Jornal do Brasil