inclusão de arquivo javascript

 
 

Professores suspendem greve em São Paulo

04 de julho de 2008 18h39 atualizado às 19h30

Os professores fizeram assembléia na praça da República. Foto: Marcelo Pereira/Terra

Os professores fizeram assembléia na praça da República
Foto: Marcelo Pereira/Terra

Os professores da rede estadual de ensino suspenderam até quinta-feira, em assembléia, a greve da categoria, que foi anunciada no último dia 13. A decisão foi tomada depois de uma reunião de acordo no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 2ª Região entre o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) e a Secretaria de Educação.

» Veja fotos da assembléia
» MP obtém liminar contra passeata
» SP cortará ponto de grevistas
» Greve: MP apurará possíveis excessos

De acordo com a Apeoesp, os representantes da secretaria se comprometeram a dar um posicionamento até terça-feira sobre o pagamento dos dias parados e prometeram abrir a negociação sobre as principais reivindicações dos professores. A categoria protesta contra um decreto do governo que trata do sistema de contração e substituição de professores.

Em contrapartida, a Secretaria de Estado da Educação apresenta a forma que os dias parados serão repostos e assume o compromisso de pagar esta reposição de aulas, de acordo com nota emitida pela pasta. Segundo o texto, o decreto que trata do sistema de contração e substituição de professores não sofre qualquer alteração. Nenhuma questão salarial foi abordada.

Representantes da Apeoesp afirmaram, durante reunião no TRT, que se o prazo acordado não for cumprido, a paralisação será retomada.

Ontem, o governador José Serra sancionou a lei que estabelece reajuste de até 12% do salário base dos profissionais da rede estadual de Educação. O piso mínimo do professor de 1ª a 4ª série em jornada de 40 horas semanais, passa de R$ 1.166,83 para R$ 1.309,17. Já para os que lecionam de 5ª a 8ª e Ensino Médio, em 40 horas, vai de R$ 1.350,75 para R$ 1.501,50.

Redação Terra