inclusão de arquivo javascript

 
 

Travesti acusa Ronaldo; delegado acredita em golpe

28 de abril de 2008 19h02 atualizado às 23h44

O travesti acusou o jogador Ronaldo de não ter pago o programa. Foto: Fábio Motta/Agência Estado

O travesti acusou o jogador Ronaldo de não ter pago o programa
Foto: Fábio Motta/Agência Estado

Um travesti acusou nesta manhã o jogador Ronaldo Nazário de não pagar um programa e de fazer uso de cocaína. O acompanhante e o jogador prestaram depoimento no 16ª Delegacia de Polícia, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro (RJ). Com base nos depoimentos, o titular da DP, delegado Carlos Augusto Nogueira, afirmou acreditar que o travesti André Luiz Ribeiro, conhecido como Andréia Albertino, tentou extorquir R$ 50 mil do jogador de futebol. De acordo com Nogueira, o travesti saiu no meio do depoimento ao ser questionado sobre os R$ 50 mil. O delegado vai abrir inquérito para ouvir os envolvidos.

» Veja mais fotos do caso
» Opine sobre a acusação contra Ronaldo

O delegado disse que serão instaurados dois procedimentos: um para apurar a suposta extorsão por parte do travesti e outro para investigar agressão de Ronaldo contra os acompanhantes. "Vamos ouvir todos os envolvidos, mas aparentemente foi uma tentativa de golpe. A droga não foi encontrada e vou instaurar inquérito de ameaça e de extorsão", disse. Um travesti conhecido como Carla, que não teria envolvimento no caso, prestou depoimento na DP por volta das 18h.

Segundo Nogueira, Ronaldo disse que saiu de uma boate por volta das 4h e que teria procurado os serviços de uma garota de programa na Praça do Ó, na Barra da Tijuca. Eles teriam ido para um motel, no mesmo bairro. Segundo o relato, ao chegar lá, o acompanhante chamou dois colegas. Ao descobrir que os três eram travestis, ele desistiu de manter relações sexuais e ofereceu R$ 1 mil a cada um. Os acompanhantes teriam então oferecido cocaína ao jogador para ele "relaxasse". Ele teria negado.

Duas aceitaram a proposta de Ronaldo, mas uma terceira, identificada como Andréia Albertino, teria chantegeado o jogador, ameaçando divulgar o caso à imprensa caso ele não lhe desse a quantia de R$ 50 mil. De acordo com o delegado, Ronaldo disse que pagou US$ 600 (cerca de R$ 1.000) ao travesti, mas que este resolveu acionar a polícia.

O jogador Ronaldo teria justificado a procura por garotas de programa por estar abalado emocionalmente e passando por problemas pessoais. Quanto à acusação de uso de droga por parte dos travestis, o delegado disse que não acredita que o jogador tenha usado entorpecentes. Ronaldo teria afirmado que estaria em fase de recuperação porque passou por várias cirurgias e que nunca havia usado drogas.

Nogueira disse que o travesti chegou a afirmar que teria vídeos mostrando o que aconteceu dentro do quarto do motel, mas ele não mostrou as gravações. No site You Tube, foi colocado um vídeo de 8 s no qual supostamente aparece Ronaldo no momento em que estava na delegacia. Uma voz diz: "é pra provar que é você". Logo em seguida, o homem que seria o jogador coloca a mão na frente da câmera, que pára de filmar.

"O seu estado era normal, eu nem pedi exame. Ele me pareceu bastante sincero e uma pessoa procurar fazer sexo não é crime. Pode ser considerado até imoral, mas não é considerado crime", disse.

Felipe Bruno, assessor de imprensa do jogador, afirmou que não há nada para ser comentado sobre o fato. "Ronaldo não vai falar sobre esse caso, porque não tem nada para falar. Não tem nenhuma denúncia criminal", disse.

Com informações do jornal O Dia

Redação Terra