inclusão de arquivo javascript

 
 

Caso Isabella: madrasta perdeu chave, diz advogado

01 de abril de 2008 18h57 atualizado em 11 de abril de 2008 às 14h54

Advogados do pai e da madrasta falam com a imprensa. Foto: Hermano Freitas/Terra

Advogados do pai e da madrasta falam com a imprensa
Foto: Hermano Freitas/Terra

Os advogados do pai e da madrasta da menina Isabella Oliveira Nardoni, 5 anos, afirmaram hoje que a mulher perdeu as chaves do apartamento algum tempo antes do suposto crime. Eles não souberam informar datas, mas disseram que há uma testemunha que comprovaria a perda das chaves. Ela seria apresentada no "momento oportuno". Além disso, segundo os advogados, havia cópias das chaves da residência na portaria do prédio.

» Veja a cronologia do caso Isabella
» Vizinha: "ouvi gritos de socorro"
» "Você será eterna", diz mãe em site
» Opine sobre o caso Isabella

Isabella caiu do 6º andar de um prédio na zona norte de São Paulo, por volta das 23h30 do último sábado. Segundo os Bombeiros, Isabella chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos e morreu por volta da 0h. Informações preliminares de peritos apontam que a criança estava viva quando atingiu o chão.

"(A perda das chaves) é um fato novo que não vejo problema de tornar público", disse o advogado Rogério Neres de Sousa. Os advogados disseram que cabe à polícia apontar provas que incriminem seus clientes e não a eles.

Os advogados estiveram por cerca de três horas no 9º Distrito Policial. Eles pediram à imprensa para que poupem o pai e a madrasta, pois eles estariam "sofrendo muito e poderiam sofrer ainda mais" com o assédio.

Os peritos disseram que Isabella caiu de lado e fraturou o pulso. Ela tinha marcas no pescoço e manchas no pulmão.

O delegado Calixto Calil Filho, titular do 9º Distrito Policial (Carandiru), disse que a morte será investigada como homicídio, pois a tela de proteção da janela foi cortada. Havia marcas de sangue no quarto da criança, o que, segundo o delegado, reforça a tese de que ela foi agredida antes de ser jogada.

Redação Terra