inclusão de arquivo javascript

 
 

SP: polícia confirma que menina foi jogada de prédio

30 de março de 2008 17h37 atualizado em 11 de abril de 2008 às 16h15

A Polícia Civil de São Paulo confirmou hoje que a morte de Isabella de Oliveira Nardoni, 5 anos, foi um assassinato. Ela morreu após uma queda do 6º andar de um prédio na zona norte da capital. Segundo o delegado Calixto Calil Filho, titular do 9º Distrito Policial (DP), a prova determinante é que a tela de proteção da janela foi cortada. Havia marcas de sangue no quarto da criança, o que, segundo o delegado, reforça a tese de que ela foi agredida antes de ser jogada pela janela.

» Veja a cronologia do caso Isabella
» Pais tinham relação excelente, diz tio
» Pai diz que assaltante jogou menina
» Polícia descarta acidente em queda
» Menina de 5 anos cai de 6º andar e morre

"Alguém cortou a tela. As investigações determinarão se foi uma pessoa próxima à criança ou um estranho que tinha a chave do apartamento", afirmou o delegado. A perícia feita pela Polícia Técnico-Científica confirmou que a rede de proteção da sacada foi cortada propositalmente.

Ainda de acordo com a polícia, o pai da menina, Alexandre Nardoni, e a madrasta, Anna Carolina Peixoto, passaram a madrugada prestando depoimento no 9º DP (Carandiru).

Segundo o pai da vítima, ela estava sozinha no apartamento no momento em que foi jogada da janela. Ele afirmou que deixou sua mulher e os dois filhos do casal no carro, enquanto subiu para colocar Isabella, que já dormia, na cama.

O pai da vítima teria descido para ajudar a carregar as outras duas crianças, respectivamente de 3 anos e 11 meses, e, ao voltar ao apartamento, viu a tela cortada e a filha caída no gramado em frente ao prédio. Entre o momento de colocar a filha na cama e a volta ao quarto teriam passado de 5 a 10 minutos, de acordo com o depoimento do pai.

Nardoni atribuiu o crime a algum desafeto que teria a chave do apartamento, o que seria possível, segundo ele, por ser um prédio recém construído. O delegado, no entanto, diz desconfiar desta versão, porque nenhum objeto foi furtado da casa.

O casal será liberado após a conclusão dos depoimentos. "O pai e a madrasta não são suspeitos, por enquanto", disse Calil. O delegado afirma que o inquérito seguirá aguardando os laudos periciais para determinar a autoria do crime. As investigações estão a cargo do 9° DP, com apoio do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa.

Redação Terra