inclusão de arquivo javascript

 
 

Espanha admite "erros" em tratamento a brasileiros

19 de março de 2008 14h45 atualizado às 15h40

O Ministério de Assuntos Exteriores da Espanha reconheceu hoje que houve "erros" no tratamento dado a passageiros brasileiros, iniciando uma crise entre os dois países. "Nenhum sistema é infalível. (...) Isso disse o próprio (ministro do Interior, Alfredo Pérez) Rubalcaba", disse o porta-voz do ministério, após admitir que não tinha ciência "dos erros até que eles começaram a chamar a atenção da imprensa e da opinião pública".

» OAB avaliará caso de brasileiros barrados
» Brasileiro pega 15 anos por assassinato
» Passageiros vindos de Madri partem hoje
» Opine sobre o assunto

A crise será discutida em uma reunião entre representantes dos dois governos. No encontro, se tentará colocar um ponto final no conflito e buscar formas de solucionar as falhas.

"Graças à imprensa, os mecanismos para solucionar os problemas se aceleram", acrescentou. "O caso está em vias de ser solucionado", afirmou, ao confirmar a reunião de subsecretários dos dois lados no final do mês.

"O primeiro passo está dado, que é a conversa", completou o porta-voz, sem dar detalhes das medidas que podem ser adotadas. A chancelaria espanhola considera que a vontade política está presente em ambas as partes e isso se evidenciou em uma conversa entre o ministro espanhol Miguel Angel Moratinos e o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim.

Em resposta aos comentários do presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara, deputado Marcondes Gadelha (PSB-PB), que insinuou que a conduta espanhola poderia ser resultado de pressões feitas pela União Européia, o porta-voz disse que "não há pressão".

"O que há são alguns requisitos comuns para entrar no espaço Schengen. (...) Outra coisa é que se tenham cometido erros. Sobre essa opinião, pergunte aos brasileiros", afirmou o porta-voz, numa referência à zona sem fronteiras integrada pela maioria dos integrantes da UE.

Reuters
Reuters - Reuters Limited - todos os direitos reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.