inclusão de arquivo javascript

 
 

AM: índios de Tabatinga seriam vítimas do tráfico

18 de março de 2008 22h29 atualizado em 19 de março de 2008 às 00h12

A utilização de índios da região de Tabatinga (AM) como "mulas" - responsáveis pelo transporte de drogas, entre os países da América do Sul - é uma realidade reconhecida pela Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab). Entretanto, para a entidade, a penalização dos nativos envolvidos não deve ser prioridade dos órgãos de Estado.

» vc repórter: mande fotos e notícias

"Repressão tem que existir, mas os chefões do tráfico estão soltos e apenas usam os indígenas da região. Eles são vítimas e o problema não será resolvido com medidas punitivas. Se não promover o desenvolvimento sustentável, vai continuar", defendeu o coordenador geral da Coiab, Jecinaldo Barbosa Cabral.

Ele argumentou que a falta de perspectivas de vida é a principal responsável por tornar jovens indígenas vulneráveis ao narcotráfico na fronteira.

O diretor de Assistência da Fundação Nacional do Índio (Funai), Aloysio Guapindaia, afirmou nesta terça-feira que os índios da região de Tabatinga que trabalharam a serviço do tráfico podem responder a processo ou ser penalizados por seus atos, mas desde que seja dado a eles um tratamento diferenciado garantido por lei.

"Eles não podem ficar em celas comuns, pois sofrem processo de assédio, agressões e intimidações de outros presos por preconceito. A Funai sempre pede que a custódia do índio fique a cargo dela e não da polícia".

Agência Brasil