inclusão de arquivo javascript

 
 

Espanha: brasileiro é detido por empregar ilegais

13 de março de 2008 10h40 atualizado às 11h54

A polícia espanhola deteve em Sevilha um empresário brasileiro acusado de empregar, em uma obra, 21 imigrantes em situação irregular. A investigação, realizada pela Brigada Provincial de Estrangeiros e Documentação, se centrou em um imigrante brasileiro que trabalhava na localidade de Sanlúcar la Mayor, na zona do Aljarafe sevilhano, no sul da Espanha.

Os agentes descobriram que o imigrante, que mora em Portugal, se deslocava de segunda a sexta-feira a uma obra de casas encostadas na entrada desta localidade, onde a maioria dos trabalhadores era de fora da União Européia (UE).

Em 11 de março, a polícia estabeleceu um dispositivo de controle, em cooperação com a Inspeção de Trabalho de Sevilha, em que identificou os trabalhadores da obra, a maioria brasileiros e três paraguaios, que foram detidos por estar em situação irregular no país.

Segundo as investigações, todos os trabalhadores tinham entrado na UE alegando motivos de turismo, já que os brasileiros e paraguaios não precisam apresentar visto para este fim, mas, na verdade, tinham como objetivo trabalhar no país.

O empresário brasileiro foi detido e autuado por infrações em matéria trabalhista. Em sua defesa, ele alegou que tinha pedido as permissões de trabalho em Portugal, apesar de ser a Autoridade Administrativa espanhola que deve conceder a autorização à empresa e outorgar as permissões de residência e trabalho aos empregados.

A detenção ocorre em um momento em que as relações bilaterais entre Brasil e Espanha estão estremecidas devido aos problemas que cidadãos dos dois países têm enfrentado nas últimas semanas para entrar em território brasileiro ou espanhol por descumprirem requisitos imigratórios. Os governos das duas nações concordaram em realizar uma reunião no final deste mês para resolver esta questão.

EFE
EFE - Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.