inclusão de arquivo javascript

 
 

Dilma diz que governo mantém cartões corporativos

06 de fevereiro de 2008 18h48 atualizado às 20h02

A ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, declarou na tarde desta quarta-feira que o governo manterá o uso dos cartões corporativos. "Somos inteiramente a favor do uso dos cartões de pagamento porque é mais transparente e mais fácil a rastreabilidade", disse. Ela enfatizou em entrevista coletiva, em Brasília, que não se deve pagar despesas pessoais com o cartão corporativo.

» Governo agora quer CPI sobre cartões
» CPI não é manobra, diz José Múcio
» Deputado: CPI deve investigar desde 2001
» Opine sobre o assunto

A ministra representou o Governo Federal na explicação sobre os gastos com cartões corporativos, que provocaram na semana passada a demissão da Ministra da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro. Esteve presente o ministro da Comunicação Social, Franklin Martins. A exemplo de Dilma, Martins disse que o governo está "absolutamente tranqüilo" quanto ao uso dos cartões de pagamento.

"O governo não só não vai voltar atrás como vai fazer com que o cartão de pagamento seja o instrumento básico de pagamento dos pequenos gastos pelas razões já apontadas pela ministra (Dilma Rousseff). Seria um retrocesso abandonar o cartão corporativo", afirmou.

A ministra classificou como "lamentável" as informações de que os cartões estariam sendo usados para pagar gastos da família do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Sobre a publicação dos extratos de cartões corporativos de seguranças e do funcionário que realiza as compras de alimentação do presidente e de seus familiares, Dilma Rousseff afirmou que foi um erro provocado por mudanças na informatização do Banco do Brasil.

"Vamos retificar essa falha, todas as providências foram tomadas para isso", disse.

Segundo Dilma Rousseff, aquilo que se tratar de gastos efetuados em residências oficiais e com segurança não serão mais divulgados no Portal da Transparência. "O fato de não serem divulgados, não significa que não sejam fiscalizados", garantiu a ministra. Ela afirmou que questões de segurança justificam a decisão.

Com informações da Agencia Brasil.

Redação Terra