inclusão de arquivo javascript

 
 

Motorista recebe multas após viatura clonar placa

30 de janeiro de 2008 09h42 atualizado às 10h46

Um sub-oficial da reserva da Marinha foi surpreendido ao descobrir que seu automóvel, um Corsa Classic branco, possuía duas multas por excesso de velocidade em dois trechos pelos quais ele não havia transitado. Após desconfiar das infrações de trânsito, o militar descobriu que a placa de seu carro, LUB-0526, havia sido clonada, e é utilizada por um Gol branco da Polícia Militar do Rio de Janeiro.

» vc repórter: mande fotos e notícias

A primeira multa foi registrada às 11h19 do dia 29 de março de 2005, no km 313 do trecho Niterói-Manilha da BR-101, na altura do bairro Boa Vista. A segunda, no mesmo local, no dia seguinte, às 10h34. As duas multas foram aplicadas pelo radar móvel utilizado por agentes da 2ª Delegacia de Polícia Rodoviária Federal.

Por meio de uma pesquisa no Departamento de Trânsito do Rio de Janeiro (Detran), foi possível constatar que a placa LUB-0526 corresponde a um Corsa Classic branco - e não a um Gol branco, que é o automóvel utilizado pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro.

Cada uma das multas recebidas pelo sub-oficial da Marinha são do valor de R$ 127,69, correspondentes a uma autuação por velocidade superior em até 20% da permitida, e não foram pagas.

O Gol branco, do 4º Comando de Policiamento de Área (4º CPA), é utilizado na Operação Visibilidade, em Alcântara, desde o mês de dezembro. Os policiais militares que a utilizam afirmaram que a viatura já foi da supervisão de oficial do antigo Grupamento Especial Tático Móvel (Getam) - atual Força de Ações Táticas (FAT) - e vinha sendo usada no policiamento ostensivo desde 2005.

A 4ºCPA, que fica sediada no Centro de Niterói, é responsável pelas áreas compreendidas pelos batalhões de São Gonçalo (7º BPM), Niterói (12º BPM), Cabo Frio (25º BPM), Petrópolis (26º BPM), Teresópolis (30º BPM) e Itaboraí (35º BPM). A reportagem tentou entrar em contato com o comandante do 4º CPA, coronel Ronaldo Menezes, mas não obteve resposta.

Redação Terra