inclusão de arquivo javascript

 
 

Beira-Mar tinha lan house e lava-rápido no Rio

24 de novembro de 2007 04h41

Levantamento incial feito pela Polícia Federal (PF) em documentos apreendidos na Operação Fênix, que atingiu a quadrilha do traficante Fernandinho Beira-Mar, indica que ele lavava o dinheiro do tráfico com pequenas empresas. Segundo a polícia, a quadrilha tinha lan houses e empresas de lava-jato instaladas na favela Beira-Mar, no Rio de Janeiro. As informações são da Folha de S.Paulo.

» PF prende mulher de Beira-Mar
» Beira-Mar montou organização "incontrolável"
» Mulher de Beira-Mar assumiu negócios
» Presos advogados de traficante

A Superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro divulgou ontem sexta-feira que foram apreendidos 19 veículos de diversas marcas durante a ação da PF. Onze pessoas, incluindo a mulher de Beira-Mar, foram presas por suspeita de fazer parte de uma quadrilha comandada pelo traficante de dentro da Cadeia de Catanduvas.

As investigações que levaram à Operação Fênix duraram um ano e meio e mobilizaram 240 agentes federais. A PF ainda não divulgou os nomes dos demais presos, mas há informações de que a irmã do traficante, Débora da Costa, esteja entre os detidos.

Além dos carros, foram apreendidos também US$ 135 milhões, R$ 27 mil, 470 itens de informática (CPU, nobreak, monitores, computadores), duas armas, dois cofres, televisores de plasma, telefones e material fotográfico.

Redação Terra