inclusão de arquivo javascript

 
 

PF: mulher de Beira-Mar assumiu negócios

22 de novembro de 2007 15h55 atualizado às 17h48

Jaqueline Alcântara de Morais chega à delegacia no centro do Rio de Janeiro (RJ) . Foto: Paulo Jacob/Agência Estado

Jaqueline Alcântara de Morais chega à delegacia no centro do Rio de Janeiro (RJ)
Foto: Paulo Jacob/Agência Estado

O coordenador especial de Fronteiras do Sul da Polícia Federal, Wagner Mesquita de Oliveira, afirmou nesta quinta-feira que a mulher do traficante Fernandinho Beira-Mar, Jaqueline Alcântara de Morais, assumiu o controle de todos os negócios do criminoso após o desaparecimento do advogado João José de Vasconcelos, há seis meses. A mulher de Beira-Mar foi presa hoje, durante a Operação Fênix da Polícia Federal, em Jacarepaguá, na zona oeste da capital fluminense. Outras dez pessoas foram detidas no Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Mato Grosso do Sul.

» Veja mais fotos
» PF prende mulher de Beira-Mar
» Presos advogados de traficante
» Beira-Mar casa em presídio

Segundo Oliveira, Jaqueline era responsável pela parte administrativa dos negócios de Beira-Mar. "Está provado que ele (Beira-Mar) continua tendo poder de mando na organização. Não foi detectado que ele use telefone (dentro da Penitenciária Federal de Campo Grande, onde está preso). Provavelmente, ele se comunica por meio dos advogados e familiares", disse Oliveira.

As investigações que levaram à Operação Fênix duraram um ano e meio e mobilizaram 240 agentes federais. O coordenador especial de Fronteiras do Sul da PF não confirmou a quantia encontrada com a mulher de Beira-Mar, que seria de US$ 200 mil. Segundo ele, apenas US$ 50 mil haviam sido contabilizados até as 15h30.

A Polícia Federal ainda não divulgou os nomes dos demais presos, mas há informações de que a irmã do traficante, Débora da Costa, esteja entre os detidos. Com ela teriam sido encontrados R$ 25 mil, US$ 130 mil e grande quantidade de droga, ainda não contabilizada.

A Operação Fênix apreendeu pelo menos dois carros, computadores, TVs e outros equipamentos eletrônicos na casa dos suspeitos.

Redação Terra