inclusão de arquivo javascript

 
 

'Tropa de Elite': moradores criticam apologia ao Bope

07 de outubro de 2007 13h17 atualizado às 18h52

Moradores da Vila Cruzeiro, no complexo de favelas do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro, estão insatisfeitos com o que consideram "apologia" ao trabalho do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope), no filme Tropa de Elite, que estreou nos cinemas neste final de semana. Segundo o líder comunitário da Vila Cruzeiro, Luís Cláudio dos Santos, a atuação dos agentes nas áreas carentes coloca em risco a vida da população, mas o problema não foi destacado pelo longa-metragem de José Padilha.

» Veja fotos do filme
» Veja o trailer
» Saiba onde assistir
» Opine sobre o longa

O filme, ambientado em 1997, quando se preparava uma nova visita do Papa João Paulo II ao Brasil, mostra o protagonista, capitão Nascimento (Wagner Moura), comandando uma operação de "limpeza" de criminosos, em um morro do Rio de Janeiro. Na trama, para o controle dos morros, os integrantes do Bope valem-se inclusive de espancamentos e torturas.

"Eles fantasiaram da forma que queriam. A realidade é bem diferente. Os homens do Bope chegam com o Caveirão (carro blindado utilizado em operações), os moradores se assustam e correm. Eles acabam sendo confundidos com criminosos e são baleados", destacou Santos.

Somente este ano, mais de 50 pessoas morreram e 80 ficaram feridas durante confrontos entre traficantes e policiais do Bope em conjunto com agentes da Força Nacional, na área do complexo do Alemão. A Polícia Militar admitiu que várias vítimas eram inocentes, mas nesses casos alegou que elas foram atingidas por balas perdidas. Entidades ligadas à defesa dos Direitos Humanos, incluindo a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ), investigam se ocorreram excessos.

A presidente do Movimento Pela Vida, Vera Alves, concorda com a opinião do líder comunitário da Vila Cruzeiro, mas acha que a ausência da "truculência policial" contra a população não teve a intenção de esconder o problema.

"O filme se preocupou mais com o lado do cotidiano da polícia para exaltar o Bope. Mas, de fato, deveria mostrar como, muitas vezes, os PMs invadem casas de pessoas inocentes. O filme chegou a exibir moradores sendo abordados com ignorância, mas foi algo superficial", disse.

Para o sociólogo Guilherme Carvalhido, declarações de moradores de favelas precisam ser tratadas com cuidado porque podem ser apenas uma forma de inibir o trabalho da polícia. "O tráfico pode estar aproveitando esta situação para prejudicar a imagem do Bope. Em alguns casos, os moradores se influenciam por não perceberem claramente o conceito do bem e do mal".

Segundo o diretor José Padilha, o filme não teve o objetivo de exaltar os integrantes do Bope como heróis, tanto que mostra o personagem capitão Nascimento querendo deixar o batalhão antes do nascimento do filho. Ele disse ainda que o objetivo do filme foi mostrar o olhar da polícia e da classe média em relação aos traficantes. "A gente fica até assustado quando algumas pessoas vêem o capitão Nascimento como herói."

O atual comandante do Batalhão de Operações Especiais da PM, tenente-coronel Alberto Pinheiro Neto, disse que não vai fazer nenhum tipo de comentário sobre o longa-metragem. Ele se limitou a dizer que "o Bope é tão especial que tem até filme".

Redação Terra