inclusão de arquivo javascript

 
 

Calheiros diz que busca diálogo com senadores

12 de setembro de 2007 19h32 atualizado às 22h57

Calheiros foi absolvido no Plenário por 40 votos a 35. Foto: Agência Senado/Divulgação

Calheiros foi absolvido no Plenário por 40 votos a 35
Foto: Agência Senado/Divulgação

Por meio de nota, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou que não guarda mágoas nem ressentimentos de todo o processo que o absolveu da perda de mandato e que a votação foi uma vitória da democracia. Logo depois do julgamento do Plenário, Calheiros disse que já começou a procurar os líderes e presidentes dos partidos para prosseguir com a agenda de votações da Casa.

» Calheiros é absolvido no Plenário
» Entenda as denúncias contra Calheiros
» Confira como votaram os senadores
» Opine sobre o caso

"Não guardo mágoa, nem ressentimentos. O único sentimento que me move é o do entendimento e do diálogo. Esse processo se encerra com a reafirmação do mútuo respeito e da serenidade que sempre caracterizam a convivência política na Casa. A partir da decisão madura e soberana do Plenário do Senado, já comecei a procurar os líderes e presidentes de partidos para prosseguirmos na agenda legislativa que de fato interessa ao País, à população", afirmou em nota.

O presidente afirmou ainda que o resultado de hoje é "uma vitória da democracia, mas é também o momento de refletir sobre as perdas que esse processo político provocou". Calheiros disse também, ainda por meio de nota, que além dele, o Senado também perdeu.

"Nesses mais de 100 dias, muitos de nós perdemos algo. Eu perdi mais, abri mão de momentos de convivência com minha família e com os amigos. Mas confirmamos que, mesmo com eventuais injustiças e excessos inerentes ao processo democrático, é preciso acreditar nas instituições, fortalecê-las e não perder a confiança de que a verdade sempre prevalecerá", afirmou.

Calheiros saiu do Plenário após a sua absolvição sem falar com a imprensa.

O Plenário decidiu pela absolvição do presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL). Esta foi a primeira vez na história em que um presidente da Casa teve uma cassação avaliada em Plenário. Após votação secreta, 40 senadores votaram pela absolvição e 35 votaram pela cassação. Houve seis abstenções.

Redação Terra