inclusão de arquivo javascript

 
 

Missa da posse de d. Odilo reúne 3 mil em SP

29 de abril de 2007 11h41 atualizado às 18h29

A cerimônia é realizada na Catedral da Sé, no centro da capital paulista. Foto: Felipe Gil/Terra

A cerimônia é realizada na Catedral da Sé, no centro da capital paulista
Foto: Felipe Gil/Terra

Cerca de 3 mil pessoas participam da missa que marca a posse do atual secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), d. Odilo Pedro Scherer, como presidente da Arquiodiocese de São Paulo - a terceira maior da América Latina. A cerimônia iniciou às 15h, na Catedral da Sé, no centro da cidade.

» Veja mais fotos
» Arcebispo repudia maioridade aos 16
» D. Odilo é o novo arcebispo de SP

Representantes de muçulmanos, ortodoxos e judeus estão presentes. Entre as autoridades estão o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, o deputado Aldo Rebelo (PCdoB), o rabino Henry Sobel, o núncio apostólico (equivalente ao embaixador do Vaticano) Lourenço Baldisseri, o presidente da CNBB, d. Geraldo Magela, e o arcebispo emérito do Rio de Janeiro, d. Eugenio Sales.

A missa iniciou com a leitura da bula papal, documento assinado pelo papa Bento XVI que relata a escolha de d. Odilo como arcebispo. Depois de cânticos e orações, d. Odilo leu sua homilia, na qual agradece ao papa Bento XVI pela escolha e convida todo o povo de São Paulo a participar da canonização de Frei Galvão, que ocorrerá do dia 11 de maio, no Campo de Marte.

Baldisseri, a maior autoridade presente da Igreja, entregou o báculo, bastão que representa a atividade de pastor, a d. Odilo.

D. Odilo foi nomeado dia 21 de março. Até então, ele era bispo-auxiliar de São Paulo. Com o novo cargo, ele deve deixar nos próximos dias o comando da Conferência Nacional dos Bispos no Brasil (CNBB).

O religioso será responsável pela recepção do papa Bento XVI, que visita São Paulo entre os dias 9 e 11 de maio. Nesta sexta-feira, o novo arcebispo de São Paulo declarou-se contrário à redução da maioridade penal, medida aprovada na quinta-feira, pela comissão de Constituição e Justiça do Senado.

Redação Terra