inclusão de arquivo javascript

 
 

Furacão: máfia do jogo tenta sacar R$ 4 milhões

20 de abril de 2007 03h30 atualizado às 06h56

Apesar das emissões de mandados de busca e apreensão e das ordens de prisão - que culminaram na detenção de 25 acusados pela Operação Furacão e no bloqueio dos bens e contas bancárias de seus familiares a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) -, pessoas ligadas à máfia do jogo fizeram três tentativas de sacar R$ 4 milhões em agências bancárias do País, segundo O Estado de S.Paulo.

» Furacão: STF manda bloquear bens de 50
» Quadrilha teria esquema de propina
» PF vai investigar vazamento de inquérito
» PF pede o bloqueio de contas de suspeitos

Os saques foram bloqueados a partir da comunicação dos bancos ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Essas movimentações levaram o procurador Antonio Fernando Souza a pedir o bloqueio, concedido pelo ministro Cezar Peluso, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Entre os motivos que levaram ao fracasso em sacar os R$ 4 milhões está a legislação de combate à lavagem de dinheiro que obriga os bancos a sempre informarem ao Coaf todos os saques de valor igual ou superior a R$ 100 mil, além da exposição de todas as pessoas envolvidas no esquema.

Outra regra bancária que impediu o saque foi a antecedência de comunicação que precisa ser feita quando um valor alto está para ser movimentado. Quando o provisionamento é superior a R$ 100 mil ou foi feito por pessoas suspeitas, os bancos também fazem a comunicação ao Coaf.

Nesta quinta-feira, o STF determinou o bloqueio de bens de 50 pessoas suspeitas de envolvimento com a Operação Furacão - entre elas os 25 presos e outros investigados. A informação não foi anunciada pelas assessorias de imprensa do STF e da Polícia Federal, mas foi confirmada pelos advogados dos detidos da operação.

Redação Terra