inclusão de arquivo javascript

 
 

Presidente do BNDES garante financiamento à Volkswagen

23 de agosto de 2006 19h14

A possível demissão de 6.500 funcionários da Volkswagen na região do ABC Paulista não afetará a liberação do financiamento de R$ 497,1 milhões para a empresa, já aprovado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A garantia foi dada hoje (23) pelo presidente do BNDES, Demian Fiocca, em entrevista coletiva sobre alterações no Programa de Financiamento à Modernização Geral da Indústria Brasileira (Modermaq).

Fiocca disse que o recurso ainda não foi liberado por questões técnicas. Ele ressaltou, entretanto, que consta do contrato entre o banco e a empresa uma cláusula prevendo que, em caso de dispensa de funcionários, a Volks tem que apresentar ao BNDES uma proposta de aprovação daquela estratégia que, em geral, se vincula a programas de treinamento e a recolocação de trabalhadores.

 

"O programa de reestruturação que a empresa anunciou, no entanto, não se refere àquele investimento específico de desenvolvimento de novos designs de alguns modelos e melhorias nas fábricas. É um programa de estruturação mundial, é um realinhamento estratégico da companhia nos perfis  de exportação e não se refere àquele financiamento. Houve uma coincidência, uma proximidade de datas dos anúncios, mas uma coisa não está relacionada a outra", afirmou.

Demian Fiocca disse que a questão de demissões em massa levou o BNDES a discutir o assunto com a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Força Sindical e o Ministério do Trabalho. O resultado, segundo ele, foi o desenvolvimento de uma nova modalidade de financiamento, com redução da taxa de juros, de exportação de automóveis que busca estimular as empresas a adotarem  estratégias de maior produção e maior manutenção de empregos. 

De acordo com Fiocca, uma das razões da estruturação global alegada pela Volks era a perspectiva de menor crescimento das exportações, o que não ocorreu. "Não foi uma estratégia de punição mas de estímulo às empresas", afirmou o presidente do BNDES.

  

 

Agência Brasil