Boletim
Receba as últimas notícias em seu email

 Fale conosco
Participe! Envie suas críticas e sugestões
Guerra Urbana
Quinta, 25 de janeiro de 2007, 06h53  Atualizada às 12h30
PCC mantinha ONG como assessoria, diz polícia
 
 Últimas de Guerra Urbana
» Familiares de vítimas do PCC recebem indenizações
» PCC mantinha ONG como assessoria, diz polícia
» Traficante do PCC escapa de prisão no Paraguai
» Marcola diz que foi ameaçado de morte na prisão
Busca
Busque outras notícias no Terra:
A Associação dos Familiares dos Reeducandos Nova Ordem, comandada até agosto por quatro ex-policiais - três civis e um federal -, era a ONG que servia para lavar dinheiro ilícito e atender os pedidos dos líderes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), além de funcionar como "assessoria de imprensa" da facção criminosa, segundo a Polícia Civil.

» SP: 4 são presos por seqüestro de repórter
» Polícia prende 33 em churrasco do PCC

A ONG foi constituída em 25 de julho para se disfarçar de entidade interessada na defesa dos direitos da organização criminosa. O ex-policial civil Ivan Raymond Barbosa, seu braço direito Anderson de Jesus e Simone Barbaresco acabaram presos nesta terça-feira e serão indiciados por formação de quadrilha e seqüestro.

Barbosa ocupava o cargo de presidente e Barbaresco o de vice da ONG, de acordo com o jornal O Estado de S. Paulo.

De acordo com o titular da Delegacia de Roubo a Banco do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic), delegado Ruy Ferraz Fontes, os três estão envolvidos no planejamento e seqüestro do repórter Guilherme Portanova e do auxiliar-técnico Alexandre Calado, em agosto do ano passado.

Conforme notas fiscais e documentos apreendidos com os diretores, o PCC pagava o aluguel do imóvel que servia de sede para a ONG, assim como viagens e despesas dos diretores, além de colchões, produtos de higiene e limpeza e comida para os presos do litoral, segundo a Folha.


 
Redação Terra