Boletim
Receba as últimas notícias em seu email

 Fale conosco
Participe! Envie suas críticas e sugestões
Guerra Urbana
Sábado, 17 de junho de 2006, 08h13  Atualizada às 10h13
Termina motim em Araraquara; Itirapina continua rebelada
 
 Últimas de Guerra Urbana
» Familiares de vítimas do PCC recebem indenizações
» PCC mantinha ONG como assessoria, diz polícia
» Traficante do PCC escapa de prisão no Paraguai
» Marcola diz que foi ameaçado de morte na prisão
Busca
Busque outras notícias no Terra:
Terminou hoje a rebelião em Araraquara, penitenciária no interior de São Paulo, com a invasão da tropa de choque da Polícia Militar. O motim já durava 14 horas e fazia dez reféns. Na penitenciária 2 de Itirapina, também no interior do Estado, autoridades estão negociando com os detentos rebelados. No início da tarde de ontem, presos das duas carceragens e da penitenciária 1 de Mirandópolis se rebelaram. Os ataques estariam ligados à facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

» PCC volta a promover rebeliões em SP
» Veja fotos dos ataques
» Confira o especial sobre o caso
» Opine sobre os ataques

Na penitenciária 2 de Itirapina, três agentes penitenciários são mantidos reféns. Os presos colocaram fogos em colchões; um presidiário foi morto e outros quatro ficaram feridos. Se as negociações não avançarem, a tropa de choque, que já está dentro do complexo penitenciário, pode ser acionada.

As rebeliões em Araraquara, Itirapina e Mirandópolis iniciaram na tarde de ontem, e autoridades atribuem os motins à facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

A rebelião na penitenciária 1 de Mirandópolis, onde os presos fizeram seis agentes reféns, foi debelada no início da noite de ontem
 

Redação Terra