0

Faz parte da educação, diz mulher que levou filhas à Parada

6 jun 2010
16h06
atualizado às 16h57
  • separator
Fabiano Rampazzo
Direto de São Paulo

Não era difícil ver crianças nos ombros dos pais em meio à multidão que seguia os trios da Parada Gay de São Paulo, realizada neste domingo. Algumas empolgadas com o barulho sacudiam suas bandeirinhas, outras pareciam não entender muito o que estava acontecendo, mas não se pode negar que a Parada Gay deste ano foi bem representada pela ala infantil.

Participantes da Parada Gay carregam bandeira pela avenida Paulista
Participantes da Parada Gay carregam bandeira pela avenida Paulista
Foto: Ricardo Matsukawa / Terra

"Acho que faz parte da educação delas eu trazê-las aqui. O mundo em que a gente vive é este, não dá pra criar os meninos dentro de uma redoma" disse Cássia Suzuki, 39 anos, médica, que estava com suas duas filhas e uma sobrinha.

Contudo, a filha menor, Luisa Suzuki, 8 anos, não apreciou o evento. "Estou cansada. Está muito barulhento e de legal até agora nada", disse a pequena, causando gargalhadas na mãe. Sua outra filha também não enxergou tantos pontos positivos assim. "Isso aqui tá esquisito, tem homem que parece mais mulher do que eu", falou Gabriela Suzuki, 11 anos.

Para o alívio de Cássia, pelo menos sua sobrinha aprovou a iniciativa de irem na Parada Gay na manhã de domingo. "Tá legal, tá tudo colorido e é gostoso ficar gritando", disse Samira Martins, também 11 anos.

Veja também:

Wrangler Rubicon 392, o mais capaz e poderoso Jeep da história
Fonte: Terra
publicidade