0

Família come couve tóxica na Grande BH e homem morre

27 set 2012
16h00
atualizado às 16h12
Ney Rubens
Direto de Santa Luzia

Um homem morreu e outras quatro da mesma família foram atendidas em um hospital por terem passado mal após comer, no almoço do último sábado, uma planta conhecida como "Couve do Mato" ou "Charuto do Rei", em Santa Luzia, Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Segundo familiares, o pintor José Carlos Torres, 47 anos, começou a passar mal em casa poucos minutos depois de comer a planta refogada. O pai dele, a filha, uma irmã e um irmão também sentiram mal em seguida.

Uma das irmãs de Torres, Maria da Conceição, disse que foi ele quem plantou, há cerca de oito meses, a espécie no quintal de casa. O homem teria colhido uma muda no terreno da empresa onde trabalhava: "No sábado ele pediu para eu picar e refogar, fui lá e fiz. Assim que comi comecei a passar mal e a vomitar. Achei que era a pressão que estava alta. Tomei bicarbonato para ver se melhorava e nada", disse.

Natieli Silva Torres, que é filha de José Carlos Torres, também teve que ser socorrida ao hospital: "Comi um pouco e comecei a sentir fraqueza, tonturas e estava tremendo bastante. O pai também começou a passar mal logo que comeu". A mulher de Torres, Cléia Pereira da Silva, disse que o marido chegou a ligar para um amigo pedindo socorro. Ela contou ainda, que durante a ligação, ele falou com o amigo que sabia o que tinha feito mal a eles: "a couve que eles tinham comido".

Também tiveram problemas depois do almoço da família o irmão e o pai da vítima, José Lúcio Torres e José Guilherme Torres, respectivamente. O aposentado chegou a ficar internado durante dois dias no Pronto-Atendimento de Santa Luzia e não pode ir ao enterro do filho: "O meu pai também estava ruim das pernas e os médicos não quiseram liberá-lo", contou Maria da Conceição. Para ela o que aconteceu foi uma fatalidade. "Meu irmão era uma pessoa boa, tinha voltado a estudar e estava feliz por ter conseguido se formar na escola", desabafou. O laudo do Instituto Médico Legal (IML) com a causa da morte do pintor deverá ser divulgado em 30 dias.

A sobrinha da vítima, Juliana Torres, contou que depois da morte do tio fez várias pesquisas sobre a "falsa couve" na internet. Ela chegou a postar informações da morte de José Carlos por meio de uma página de relacionamento na internet: "Queria fazer um alerta para que não plantassem esse tipo de planta sem saber o que é. Nessa brincadeira você acaba perdendo a vida como o meu tio".

Um vizinho da família, Gerson Gonçalves dos Santos, ao tomar conhecimento do que aconteceu, descobriu que também tem a planta no terreiro: "Vou chegar em casa e arrancar esses pés para que não ocorra nenhuma fatalidade", afirmou.

A Couve tóxica
Segundo o engenheiro agrônomo da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais, (Emater) Noé de Oliveira, a couve do mato ou charuto do rei tem o nome cientifico de Nicotiana glauca Graham e "é tóxica porque tem uma substância chamada de alcalóide que pode causar pressão alta, infarto do miocárdico, paralisias e distúrbios respiratórios, podendo levar a pessoa a óbito".

Para o técnico, provavelmente "foi uma fatalidade porque a couve comum e a Couve do Mato, apesar de parecerem bastante, são de espécies diferentes".

José Lúcio Torres, irmão da vítima que passou mal e foi socorrico no Pronto Atendimento em Santa Luzia
José Lúcio Torres, irmão da vítima que passou mal e foi socorrico no Pronto Atendimento em Santa Luzia
Foto: Ney Rubens / Especial para Terra
Fonte: Especial para Terra
publicidade