0

FAB desativará caças Mirage no final de dezembro

Grupo estuda qual será o destino das aeronaves desativadas

5 ago 2013
15h00
atualizado às 15h51
  • separator
  • 0
  • comentários

A Força Aérea Brasileira (FAB) vai desativar sua frota de caças Mirage-2000 C/B, usados em interceptação, à 0h do dia 31 de dezembro, por conta do esgotamento da capacidade de operação das aeronaves. 

Caças Mirage-2000 serão desativados no final de dezembro pela Força Aérea Brasileira
Caças Mirage-2000 serão desativados no final de dezembro pela Força Aérea Brasileira
Foto: Agência Força Aérea / Divulgação

Marco da aviação brasileira, AMX será remodelado
Confira a história da Esquadrilha da Fumaça

Segundo a FAB, as aeronaves já tiveram seu tempo de uso prolongado em dois anos. De 12 caças desse modelo, que compõem o lote do 1º Grupo de Defesa Aérea, em Anápolis (GO), apenas seis são usados atualmente, já que os demais foram utilizados como suprimento para o prolongamento do uso dos aviões. 

O esgotamento dos caças é total e não há condições de um novo prolongamento do tempo de uso. Por conta disso, um grupo de trabalho foi montado para definir o que será feito com as aeronaves. 

Baseados em Anápolis, os caças são responsáveis, principalmente, pela defesa da capital federal do País, Brasília. Com o atraso na compra de novos caças previstos no programa F-X2, que se arrasta desde o governo Fernando Henrique Cardoso, os oficiais da FAB analisam de que forma será feita a defesa da região. 

Expectativa
Segundo o ministro da Defesa, Celso Amorim, a expectativa do governo é de que os 36 caças previstos no programa F-X2 sejam adquiridos ainda este ano. 

O programa militar se arrasta há anos, e tem três países como principais competidores: França, com os Rafale, Estados Unidos, com o F-18 Super Hornet, e a Suécia, com o Gripen NG. Ainda na época do governo Lula, por questões de proximidade política com o então presidente Nicolas Sakozy, o Brasil ficou perto de anunciar a compra dos caças Rafale, os mais caros da concorrência, a um custo de R$ 16 bilhões, mas com maior transferência de tecnologia. 

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade