Pesquisa revela salário médio dos caminhoneiros brasileiros

21 out 2015
0comentários
Publicidade
Bruno Moreira, diretor de marketing da Sontra Cargo
Bruno Moreira, diretor de marketing da Sontra Cargo
Foto: Divulgação

A remuneração média do caminhoneiro brasileiro gira entre R$ 2.000 e R$ 6.000. É o que revela levantamento realizado pela Sontra Cargo, plataforma que conecta motoristas a cargas disponíveis. A pesquisa “Perfil do Caminhoneiro Brasileiro” entrevistou 1.700 profissionais, que responderam questionários referentes à escolaridade, remuneração, tempo de trabalho e condições familiares.

Uma das conclusões da pesquisa é que a maioria dos caminhoneiros tem entre 25 e 48 anos, sendo que 73,2% dos profissionais estão nesta está na faixa etária.

“São profissionais com uma faixa etária muito jovem, até porque eles têm mais acesso à internet”, afirma Bruno Moreira, diretor de marketing da Sontra Cargo, ao comentar que o levantamento foi feito por meio da internet e, portanto, tende a concentrar pessoas mais jovens.

Ainda de acordo com o estudo, 84,7% são trabalhadores autônomos ou atuam em regime de pessoa jurídica. Enquanto que 15,3% são contratados com registro em carteira, pela CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas).

Outro dado interessante é que 74,2% realizam entre uma e dez viagens por mês. E 61,2% rodam entre 601 e mais de 1.000 quilômetros.

“Em relação à localidade, a maioria está concentrada na região Sudeste (51,5%). No Sul são 25,5%; 12%, no Centro-Oeste; 8,7%, no Nordeste; e apenas 2,3% são da região Norte do País”, diz Moreira.

Quanto ao tempo de profissão, 57,4% entraram há menos de 10 anos neste ramo de atividade.

A responsabilidade desses trabalhadores perante suas famílias também foi questionado. Dos entrevistados, 81,4% são a renda principal de suas residências.

E, por fim, informações como escolaridade desses motoristas ajudam a definir o perfil dos profissionais: 32,4% têm o ensino médio completo, 11,3% concluíram o ensino fundamental, 9,5% possui curso superior completo e somente 1,6% tem pós-graduação. Também neste quesito, o dado negativo é que 11,6% não chegaram a concluir o ensino fundamental.

Fonte: Gilmara Silva dos Santos – ME
Publicidade
Publicidade