0

'Economist': lobby agrícola está vencendo a batalha do Código

2 dez 2011
20h10
atualizado às 20h16

Um artigo publicado nesta sexta-feira no site da revista britânica The Economist sobre o desmatamento no Brasil e a votação do Código Florestal afirma que o lobby agrícola está vencendo a batalha contra o novo projeto. Atualmente em truncada tramitação no Senado, o novo texto, segundo a revista, pode encorajar mais desmatamentos.

De acordo com o artigo, "o lobby agrícola quer todo o desmatamento passado regularizado, argumentando que se os fazendeiros tiverem que replantar árvores, a safra colhida diminuiria, os preços aumentariam e os pobres brasileiros passariam fome. Ambientalistas contra-argumentaram que uma anistia estimularia futuros desmatamentos", explicou a publicação. "Até agora, pelo menos, o lobby agrícola está vencendo."

A publicação, que assume um tom pessimista, começa descrevendo vários caminhões carregados com toras de madeira saindo das proximidades de Porto Velho. O texto evidencia a rara fiscalização dos veículos, o aumento populacional que não é acompanhado pelo aumento da polícia, e a baixíssima taxa de pagamento de multas por desrespeito ao atual Código Florestal.

"Mas o Código é rotineiramente desrespeitado. Menos de 1% das multas aplicadas por sua não observância são pagas, por causa da incerteza do proprietário e de pouca aplicação.", afirma a publicação.

O texto lembra que a presidente Dilma Rousseff prometeu vetar qualquer anistia a desmatadores ilegais, e que ela quer a versão final na sua mesa antes do Natal. No entanto, diz o artigo, o impasse do programa de recuperação ambiental, além de uma intensa agenda legislativa, podem obrigá-la a arrastar a discussão além do prazo.

A revista pontua que, após muitos anos de queda, a taxa de desmatamento aumentou neste ano, "provavelmente porque donos de terras pensam que o novo Código vai absolvê-los". Se a presidente Dilma atrasar a discussão, finaliza o texto, "a esperança da Amazônia vai ficar com os fazendeiros esclarecidos e com as tribos indígenas que cuidam de sua terra melhor do que quer fazê-lo o Estado".

Cerca de 500 crianças se reuniram na Praça dos Três Poderes, em Brasília, contra alterações no Código Florestal
Cerca de 500 crianças se reuniram na Praça dos Três Poderes, em Brasília, contra alterações no Código Florestal
Foto: Diogo Alcântara / Terra
Fonte: Terra
publicidade