0

Dirigente do Psol critica criminalização dos Black Blocs e propõe diálogo

14 fev 2014
12h28
atualizado às 12h30
  • separator
  • comentários

O secretário-geral do Psol Edilson Silva criticou a criminalização e repressão policial à tática "black bloc" e sugeriu o diálogo com os integrantes desse movimento em um artigo publicado em 15 de outubro do ano passado no site do partido. "Para quem pretende mudar o mundo de verdade, não deve parecer utópico ou ingênuo demais querer ver os movimentos e partidos da esquerda coerentes, como o PSOL, dialogando com a tática Black Bloc", escreveu o membro da executiva do partido.

<p>Artigo "Tática Black Bloc. Condenar, conviver ou se aliar?" saiu do ar</p>
Artigo "Tática Black Bloc. Condenar, conviver ou se aliar?" saiu do ar
Foto: Reprodução

Ao propor a conversa com manifestantes mascarados, Silva afirma que a "tática existe e veio pra ficar, gostem ou não a direita, a esquerda e quem mais quiser dar palpites". Em um trecho do artigo, ele critica os "conservadores" por, segundo ele, criminalizarem os Black Blocs - que, segundo ele, têm um "inegável charme político". O artigo, intitulado "Tática Black Bloc. Condenar, conviver ou se aliar?", foi retirado do ar

"Os conservadores, as forças de direita, já deram a sua resposta: criminalização pura e simples. Chama a polícia, bate, processa e enjaula. A tarefa não tem sido fácil porque a tática reage. E bate também", escreveu o dirigente. "Seu diferencial mais saliente, e porque não dizer sedutor, é a coragem e o desprendimento com que se lançam diante da repressão estatal."

Apesar de destacar a validade do movimento, Edilson Silva também fez ressalvas à tática adotada pelos manifestantes. "Não nos parece que o conceito da tática Black Bloc seja algo retrógrado ou mesmo indesejável em essência e propósitos originais. É algo progressivo, politicamente moderno", garantiu. "Por outro lado, não parece o mais correto o aplauso fácil e irresponsável à tática, tratando as suas fragilidades e portas abertas a todo tipo de oportunismo e infiltrações fascistas e policiais como um mero efeito colateral", completou.

Fonte: Terra
  • separator
  • comentários
publicidade