0

Dilma avalia protestos em reunião com ministro da Justiça

20 jun 2013
23h40

A presidente Dilma Rousseff vai avaliar na próxima sexta-feira os protestos que vêm ocorrendo em várias cidades do país desde a semana passada em reunião programada com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e da qual devem participar outros membros do gabinete.

A reunião com Cardozo no Palácio do Planalto foi anunciada na agenda de Dilma divulgada nesta quinta-feira pela Presidência.

A imprensa afirmou que a presidente também pediu a participação de outros ministros no encontro.

Segundo o site do jornal "Folha de São Paulo", na reunião vai ser discutida a posição do governo frente aos protestos, as medidas que podem ser adotadas pelo Ministério da Justiça para responder aos incidentes que ocorreram em algumas manifestações e até um possível pronunciamento da presidente em rede nacional de rádio e televisão.

Dilma tinha anunciado nesta quinta-feira a decisão de adiar a viagem que faria ao Japão, programada para a próxima semana, e também cancelou a visita à Salvador nesta sexta-feira.

Na última terça-feira, em seu primeiro pronunciamento sobre os protestos, Dilma afirmou que "a voz da rua tem que ser escutada" e elogiou o espírito democrático dos manifestantes, ao dizer que eles "enviaram uma mensagem direta aos governantes".

Apesar das principais cidades do país terem anunciado ontem a redução das tarifas de transporte público, a principal reivindicação dos protestos, pelo menos 600 mil manifestantes voltaram a sair às ruas hoje em cerca de 80 cidades.

A maioria das manifestações ocorreu de forma pacífica, mas hoje aconteceram incidentes graves em Brasília, Rio de Janeiro, Vitória, Porto Alegre e Salvador.

A polícia do Distrito Federal evitou que um pequeno grupo de manifestantes invadisse o Congresso Nacional e o Palácio do Itamaraty.

Os manifestantes, no entanto, jogaram pedras, cones e garrafas, quebraram vidros, e um rojão explodiu dentro do prédio do Ministério das Relações Exteriores. A polícia revidou com bombas de efeito moral, gás de pimenta e usou até extintores para dispersar as pessoas que ocupavam as duas rampas de acesso ao prédio.

EFE   

compartilhe

publicidade
publicidade