0

Depois de dez anos, País volta a parar com apagão

11 nov 2009
03h03
atualizado às 08h53

Pela primeira vez na história, a usina de Itaipu teve de ser totalmente paralisada, provocando na noite de terça-feira um apagão que atingiu o Distrito Federal e dez Estados brasileiros - Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo - além do Paraguai. Itaipu responde por quase 20% do abastecimento de energia do Brasil e 87% do consumo paraguaio. O ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, disse que causas atmosféricas podem ter gerado o apagão.

O apagão aconteceu por volta de 22h15 e as operações em Itaipu só foram restabelecidas cerca de duas horas depois. À 0h04, Lobão anunciou a volta da transmissão de energia e que a normalização de todo o sistema poderia levar de duas a três horas. Até às 2h30 desta quarta-feira a energia não havia voltado 100% nas regiões atingidas.

Pessoas presas em elevador, atendimento precário e à base de geradores em hospítais, bares com medo de calote de clientes, trânsito intenso pelo não funcionamento de semáforos, disputa por táxis e ônibus com a paralisação de trens e metrôs e até congestionamento de linhas de telefonia celular foram parte dos transtornos.

A interrupção do fornecimento de energia foi a maior desde o último apagão, que aconteceu há dez anos, em 11 de março de 1999, e também atingiu dez estados e o Distrito Federal. Entre junho de 2001 e o começo de 2002, o País adotou um programa de racionamento de energia para evitar o risco de novos apagões.

O ministro Lobão negou que o apagão dessa noite tenha relação com o anterior. "O sistema não é frágil, é o mais seguro do mundo", afirmou. "No apagão anterior não havia sistema interligado e havia ausência de linhas de transmissão, hoje não, 98% das linhas são interligadas." O ministro foi informado do desligamento de Itaipu durante reunião com o presidente Lula sobre a divisão dos royalties do pré-sal.O diretor-geral da Usina Elétrica de Itaipu, Jorge Samek, afirmou que duas linhas de transmissão de 765 mil volts que não estavam funcionando foram reparadas. Ainda de acordo com Samek, "não há dúvidas de que o apagão foi causado por queda em linhas de transmissão de energia."

Celulares
Informações da reportagem do Jornal da Tarde, de São Paulo, mostravam que o apagão afetou as redes de telefonia celular. Era grande a dificuldade para fazer chamadas ou passar mensagens de texto. Segundo a reportagem, a TIM informou que o congestionamento na rede ocorreu porque muitas pessoas tentaram ligar ao mesmo tempo para saber informações sobre o apagão.

Distrito Federal
A falta de energia provocou o adiamento do jogo Brasiliense e São Caetano pela Série B do Campeonato Brasileiro.

Mato Grosso
Em Cuiabá, o centro da cidade ficou completamente apagado por cerca de 15 minutos. A Cemat, que administra a energia elétrica no Estado, confirmou que o problema ocorreu na saída da energia da hidrelétrica de Itaipu e atingiu 25% da carga do Estado. A energia foi restabelecida ainda no começo da madrugada.

Mato Grosso do Sul
A capital Campo Grande também ficou sem energia elétrica. Em várias partes do Mato Grosso do Sul, a energia dependia exclusivamente de geradores. Nos hospitais, os geradores foram reservados para alas de emergência. Por volta da 0h30, a energia foi restabelecida.

Minas Gerais
A Companhia de Energia Elétrica de Minas Gerais (Cemig) informou que alimentadores em cidades do interior do Estado deixaram de fornecer energia elétrica por volta das 17h, após fortes chuvas. A companhia informou que não houve blecaute na capital, Belo Horizonte. No fim da noite a energia começou a ser restabelecida.

Paraná
O Estado foi dos menos afetados. Na região de Maringá, a falta de energia não durou mais que minutos. Na região de Londrina, no distrito rural de Warta, a energia faltou por 45 minutos.

Pernambuco
Em Recife, bairros ficaram sem energia, mas ainda à noite ela foi restabelecida.

Rio Grande do Sul
No Rio Grande do Sul, a AES Sul registrou falta de energia em cidades da região metropolitana de Porto Alegre. Segundo a concessionária, 70 mil casas ficaram sem energia em Sapucaia do Sul e São Leopoldo por cinco minutos. As outras empresas que administram energia elétrica no Estado não registraram problemas.

Rio de Janeiro
No Rio de Janeiro, serviços de trens e metrô foram paralisados com o apagão. Os ônibus ficaram lotados e a disputa por um táxi foi acirrada nas ruas. Celulares e telefones fixos ficaram mudos em parte da cidade, principalmente nas zonas norte e sul.

Segundo a Cedae, o sistema de abastecimento de água em sua área foi comprometido com a falta de luz. Os sistemas Guandu (que atende 90% da capital e da Baixada Fluminense) e Imunana Laranjal (que servem Niterói, São Gonçalo, Magé, Paquetá e Itaboraí) podem levar até o fim de semana para serem normalizados.

São Paulo
Capital, ABC, cidades da Grande São Paulo e outras cidades do interior do Estado foram atingidos. Na capital, metrô e trens pararam de circular. Sem semáforos funcionando, o trânsito ficou comprometido. Por de 0h25, a energia começou a ser restabelecida na capital.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) colocou 500 agentes nas ruas - o dobro do habitual para o horário - e suspendeu o rodízio de veículos desta quarta-feira (finais de placa 5 e 6).

Apagão atingiu dez estados e o Distrito Federal; na imagem, a Avenida Paulista, em São Paulo, às escuras
Apagão atingiu dez estados e o Distrito Federal; na imagem, a Avenida Paulista, em São Paulo, às escuras
Foto: Reinaldo Marques / Terra
Fonte: Redação Terra
publicidade