Fale conosco
Mande suas críticas e sugestões. Participe!

 Boletim
Receba as últimas notícias em seu email
Crise no Governo
Quarta, 29 de março de 2006, 18h28  Atualizada às 18h27
Relatório de CPI conclui que Lista de Furnas é falsa
 
Maria Clara Cabral
Direto de Brasília
 
 Últimas de Crise no Governo
» Badalados, Ronaldinho e Barcelona chegam ao Japão
» Garibaldi confirma data da leitura de relatório
» Relator busca ajuda para indiciar assessor de Lula
» Amigo de Lula avisa à CPI que não vai depor na terça
Busca
Busque outras notícias no Terra:
O relator da CPI dos Correios, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), conclui, em seu relatório final apresentado nesta quarta-feira, que a chamada Lista de Furnas é falsa. Para Serraglio, o assessor político Nilton Monteiro, apontado como o nome que divulgou a lista nos meios de comunicação, teve o intuito de caluniar políticos da oposição.

» O que você achou do relatório final da CPI?
» Veja a íntegra do relatório
» CPI dos Correios exime Lula de culpa no mensalão
» Assista: Serraglio apresenta relatório

Com a conclusão, o relatório aconselha o indiciamento de Nilton Monteiro e do assessor da prefeitura de Belo Horizonte, Luiz Fernando Carceroni, pelos crimes de calúnia, falsidade de selo ou sinal público (por falsificar o logo da empresa) e falsidade ideológica. O relatório traz ainda que Nilton Monteiro responde como réu em vários processos envolvendo falsificação de documentos e prática de estelionato e nunca trouxe elementos consistentes à tona.

"Sendo assim, essa CPI entende que não emprestar sua credibilidade a atitudes inconseqüentes e dar curso a uma denúncia leviana e que claramente revela maquinação de cunho político pré-concebido ou de qualquer outra ordem", diz trecho do relatório.

A Lista de Furnas foi divulgada em outubro de 2005. O documento, que nunca teve sua autenticidade comprovada ou negada, apresentava uma série de nomes que teriam recebido doação ilegal da estatal Furnas Centrais Elétricas. A maioria dos parlamentares eram da base governista do então presidente Fernando Henrique Cardoso, além do então candidato a governador paulista Geraldo Alckmin.
 

Redação Terra