Fale conosco
Mande suas críticas e sugestões. Participe!

 Boletim
Receba as últimas notícias em seu email
Crise no Governo
Quarta, 29 de março de 2006, 15h22 
CPI dos Correios exime Lula de culpa no mensalão
 
Maria Clara Cabral
Direto de Brasília
 
 Últimas de Crise no Governo
» Badalados, Ronaldinho e Barcelona chegam ao Japão
» Garibaldi confirma data da leitura de relatório
» Relator busca ajuda para indiciar assessor de Lula
» Amigo de Lula avisa à CPI que não vai depor na terça
Busca
Busque outras notícias no Terra:
O relatório final da CPI dos Correios, apresentado hoje, isentou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva de culpa no chamado "mensalão". No documento, o relator Osmar Serraglio (PMDB-PR) afirma que Lula foi informado por duas vezes sobre o esquema pelo então deputado Roberto Jefferson. O presidente, ainda segundo o relatório, solicitou então, ao presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB) para que ele tomasse as devidas providências.

» CPI pede indiciamento de Azeredo
» Relatório conclui que Lista de Furnas é falsa
» O que você achou do relatório final da CPI?
» Veja a íntegra do relatório
» Assista: Serraglio apresenta relatório

"Não incide aqui, responsabilidade objetiva do Chefe Maior da Nação, simplesmente, por ocupar a cúspide da estrutura do Poder Executivo, o que significaria ser responsabilizado independentemente de ciência ou não. Em sede de responsabilidade subjetiva, não parece que havia dificuldade para que pudesse lobrigar a anormalidade com que a maioria parlamentar se forjava. Contudo, não se tem qualquer fato que evidencie haver se omitido", diz o trecho. O documento de autoria de Serraglio tem um item, dentro da parte sobre as atividades de Marcos Valério intitulado "A Ciência do Presidente Lula".

O relatório classifica o "mensalão" como um esquema de pagamentos a deputados da base governistas em troca de apoio a projetos de interesse do Executivo. Roberto Jefferson foi o primeiro a denunciar o esquema, com o pagamento de R$ 30 mil. Contudo o relatório da CPI aponta outras variantes do mensalão, como "liberação de recursos com periodicidade menor (a cada sete dias, por exemplo) e o pagamento para seduzir o político a trocar de legenda partidária".

O relatório diz ainda que todos esses modelos são variações de um mesmo esquema ilegal de financiamento político, operado pelo empresário Marcos Valério e pelo Delúbio Soares, com o conhecimento de José Genoino e José Dirceu. A CPI pede o indiciamento dos quatro.
 

Redação Terra