Fale conosco
Mande suas críticas e sugestões. Participe!

 Boletim
Receba as últimas notícias em seu email
Crise no Governo
Sábado, 24 de dezembro de 2005, 05h27  Atualizada às 07h25
Governo pretende monitorar contas dos políticos
 
 Últimas de Crise no Governo
» Badalados, Ronaldinho e Barcelona chegam ao Japão
» Garibaldi confirma data da leitura de relatório
» Relator busca ajuda para indiciar assessor de Lula
» Amigo de Lula avisa à CPI que não vai depor na terça
Busca
Busque outras notícias no Terra:
Depois de confirmar uma ampla operação da Polícia Federal para coibir a prática de caixa dois nos partidos durante as eleições de 2006, o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, anunciou nesta sexta-feira que o governo pretende instalar um sistema de monitoramento das contas de todos os políticos do País. O projeto, informou Bastos, pode ser instituído por meio de decreto, sem a necessidade de passar por votação no Congresso.

» Tudo sobre a crise no governo
» Fórum : opine sobre a crise no governo

O plano traçado pelo governo federal prevê uma espécie de quebra permanente dos sigilos telefônico, bancário e fiscal do público-alvo, definido pelo ministro como "Pessoas Politicamente Expostas" (Peps) - homens e mulheres com cargos públicos importantes, como ministros de Estado, senadores, deputados, presidentes de estatais e dirigentes partidários. A maior intenção é coibir a prática de lavagem de dinheiro e outras operações ilegais.

De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, Bastos ainda prepara, juntamente com sua equipe e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o perfil das Peps a serem investigadas regularmente. Até 31 de março de 2006, a Controladoria Geral da União deverá oficializar quem serão as Peps.

Segundo explicou Márcio Thomaz Bastos, "o serviço de inteligência financeira e os seus braços executivos não podem ficar numa posição passiva". Ele se referiu sobretudo à atuação do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), responsável por esse monitoramento. Destacando a importância do Coaf, Bastos afirma que o órgão, atualmente, se restringe a receber e repassar informações.

Além dessas medidas, o ministro da Justiça pretende assinar, até o final do próximo ano, tratado de cooperação penal com 50 países, a fim de facilitar o rastreamento de dinheiro ilegal enviado ao Exterior.

Críticas do PFL
A disposição do ministro Márcio Thomaz Bastos de combater o caixa dois por meio da Polícia Federal foi duramente criticada pelo presidente do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC), segundo o qual o órgão policial será usado com fins políticos "para beneficiar o PT e aliados". O pefelista classificou as medidas anunciadas por Bastos de "totalitárias, arbitrárias, autoritárias e antidemocráticas".

Para o senador, a fiscalização deve ser feita pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e aconselhou o ministro de "investigar e prender os corruptos e corruptores que enlamearam o governo" em vez de "ameaçar" os partidos.
 

Redação Terra