Fale conosco
Mande suas críticas e sugestões. Participe!

 Boletim
Receba as últimas notícias em seu email
Crise no Governo
Sexta, 16 de setembro de 2005, 19h51  Atualizada às 05h20
Severino acena com licença e ameaça governo
 
 Últimas de Crise no Governo
» Badalados, Ronaldinho e Barcelona chegam ao Japão
» Garibaldi confirma data da leitura de relatório
» Relator busca ajuda para indiciar assessor de Lula
» Amigo de Lula avisa à CPI que não vai depor na terça
Busca
Busque outras notícias no Terra:
O presidente da Câmara dos Deputados, Severino Cavalcanti (PP-PE), já admite a possibilidade de pedir licença médica do cargo, afirmou nesta sexta-feira o deputado João Caldas (PL-AL). Com a licença, o deputado do PFL e vice-presidente da Casa, José Thomaz Nonô (PFL), assumiria o comando da Câmara. A idéia contraria os interesses do governo, que não é favorável à oposição tomar a frente do Congresso. Nesta sexta-feira, a Polícia Federal pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a quebra do sigilo bancário, fiscal e telefônico de Severino e Buani.

» Partidos articulam sucessão na Câmara
» Tudo sobre a crise no governo
» Fórum : opine sobre a crise no governo

"O que eu tenho de novo é que ele admite tirar uma licença da presidência. Ele pode tirar e voltar a qualquer instante", disse Caldas. Severino só tinha aceitado até agora renunciar ao mandato ou ao cargo de presidente.

Caldas, que acompanhou a comitiva do governo até Maceió, para a inauguração do Aroporto Internacional Zumbi dos Palmares, disse que falou com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre um possível encontro com Severino. "Ele disse que, se fosse solicitada uma audiência, tranqüilamente concederia, mas isso não foi feito por Severino. Também não veio nenhuma proposta de lá pra cá".

Segundo o presidente do Conselho de Ética, deputado Ricardo Izar (PT-SP), se Severino não renunciar ao mandato até a próxima terça-feira, será instaurado o processo de cassação do parlamentar e nomeado um relator. A representação contra Severino foi entregue por cinco partidos de oposição. O deputado é acusado pelo empresário Sebastião Buani de cobrar propina, no período em que foi primeiro-secretário da Câmara, para prorrogar a concessão do restaurante Fiorella, no décimo andar da Casa.

A Constituição e o Regimento Interno da Câmara não contemplam nenhuma hipótese de afastamento do presidente da Casa, a não ser por iniciativa do próprio deputado (afastamento temporário, para facilitar investigações, ou renúncia) ou por quebra de decoro parlamentar.
 

Agência Brasil