Fale conosco
Mande suas críticas e sugestões. Participe!

 Boletim
Receba as últimas notícias em seu email
Crise no Governo
Quinta, 28 de julho de 2005, 14h18  Atualizada às 18h12
Quem tentou fazer mágica, quebrou a cara, diz Lula
 
Fabiana Leal
 
Fabiana Leal/Redação Terra
Lula discursa na Refinaria Alberto Pasqualini, em Canoas
Lula discursa na Refinaria Alberto Pasqualini, em Canoas
 Últimas de Crise no Governo
» Badalados, Ronaldinho e Barcelona chegam ao Japão
» Garibaldi confirma data da leitura de relatório
» Relator busca ajuda para indiciar assessor de Lula
» Amigo de Lula avisa à CPI que não vai depor na terça
Busca
Busque outras notícias no Terra:
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje, em discurso na Refinaria Alberto Pasqualini, em Canoas, no Rio Grande do Sul, que a economia brasileira ainda tem "problemas sérios" e que o governo não pode "brincar" nesta área, para evitar retrocessos. Segundo ele, o Brasil sempre ficou esperando aparecer um mágico. "Esse mágico iria tirar um economista da cartola e, esse economista ia fazer um plano que salvaria o País.

» Assista: Economia ainda é "muito vulnerável", diz Lula
» Veja fotos
» Lula pede tempo para avaliar governo
» Tudo sobre a crise no governo
» Fórum: opine sobre a crise no governo

"Uma coisa é mágica acadêmica, outra coisa é a praticidade do mercado e da sociedade que trabalha com mais objetividade", disse. "Teoricamente, todos que tentaram fazer mágica com a economia brasileira quebraram a cara". Lula afirmou que hoje pode dizer que o que incomoda muita gente é que o governo não fez loucura.

"O que incomoda alguns adversários é que esse País ia quebrar no ano de 2003". Segundo ele, com investimentos o Brasil não quebrou. "Nós acreditamos que não dava para ficar a base da conta gotas. Uma coisa aqui, outra ali. Se é para fazer, vamos fazer".

Lula disse que a economia está se recuperando, mas não na velocidade que todos gostariam. Os avanços no setor energético também foram destacados.

"Pode estar certo que não haverá mais apagão nesse País. Pode ter uma falha, mas não apagão por incompetência administrativa. A incompetência do político não é só pensar em eleição, mas pensar só na próxima eleição. Temos que pensar a longo prazo", afirma Lula.

Emprego
Lula disse que os anos de 1992 a 2002 foram uma década perdida. E que na década de 80 pouca coisa foi feita. Ele afirmou que de 1992 a 2002 foram criados 8.037 empregos com carteiras assinadas por mês. Repetindo o discurso feito ontem na criação da Universidade Federal do Pampa, em Bagé, no Rio Grande do Sul, Lula disse que nos 30 meses de governo, foram criados 3,125 milhões de empregos com carteira assinada no País, ou ainda, uma média mensal de 140 mil empregos.

Placa comemorativa
Lula descerrou uma placa da Refap comemorativa a ele. Ao chegar nas instalações da refinaria, ele foi direto cumprimentar os funcionários da empresa que o aguardavam do alto das instalações. O presidente também recebeu um livro da Refap - chamado Mão à obra

O presidente subiu nas estruturas próximas à Unidade de Tratamento do Diesel acompanhado de uma comitiva. Segundo o presidente da Petrobras, José Sérgio de Azevedo, a Refap investiu US$ 1 bilhão para modernizar e ampliar a Refap em Canoas.

Ampliada, a Refap vai produzir 5.509 litros de gasolina por minto - suficiente para encher o tanque de mais de 100 carros. Produzirá 8.309 litros de dieses por minuto, suficiente para encher o tanque de 40 caminhões, além de uma tonelada de GLP por minuto ou 76 botijões de 13 quilos por minuto e 69 mw de energia elétrica - suficiente para abastecer uma cidade com 200 mil habitantes.

Lula saiu, de Canoas, de helicóptero até a cidade de Osório, onde deu início à construção de um túnel de 1,6 quilômetro de extensão. A obra também possibilitará a redução em 11 quilômetros da distância entre Osório e Torres (de 99,5 quilômetros para 88,5 quilômetros). O presidente também vai vistoriar as obras de ampliação da BR-101 - que deverá ser concluída até 2007. A maior parte da obra deve ocorrer no próximo ano. Os recursos utilizados na rodovia são da União e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).
 

Redação Terra