Fale conosco
Mande suas críticas e sugestões. Participe!

 Boletim
Receba as últimas notícias em seu email
Crise no Governo
Quinta, 16 de junho de 2005, 17h58 
José Dirceu deixa a Casa Civil
 
Reuters
José Dirceu anunciou esta tarde o pedido de demissão
José Dirceu anunciou esta tarde o pedido de demissão
 Últimas de Crise no Governo
» Badalados, Ronaldinho e Barcelona chegam ao Japão
» Garibaldi confirma data da leitura de relatório
» Relator busca ajuda para indiciar assessor de Lula
» Amigo de Lula avisa à CPI que não vai depor na terça
Busca
Busque outras notícias no Terra:
O ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, anunciou oficialmente na tarde desta quinta-feira seu afastamento do cargo. Dirceu deixa o Ministério para responder às denúncias de corrupção feitas pelo presidente do PTB, Roberto Jefferson, na qual Dirceu seria um dos principais articuladores do esquema de corrupção denominado "mensalão", mesadas paga a parlamentares da base aliada em troca de apoio a projetos do PT. "Continuo no governo porque sou PT. Vou continuar governando o Brasil como deputado", disse o ministro, que retomará na próxima quarta-feira seu mandato de deputado federal pelo Estado de São Paulo.

  • Leia na íntegra o pronunciamento de José Dirceu
  • Veja a trajetória de Dirceu no governo
  • Assista: José Dirceu pede demissão
  • Tudo sobre a crise no governo
  • Fórum: opine sobre a saída de Dirceu

    Dirceu não resistiu ao ter seu nome envolvido pela segunda vez em um esquema de corrupção durante o governo Lula. No início do ano passado, uma gravação mostrou Waldomiro Diniz, um ex-assessor de José Dirceu, cobrando propina de um empresário do jogo do bicho, Carlos Cachoeira. À época, ele teria chegado a pedir demissão, negado por Lula. Na última terça-feira, foi noticiado que Dirceu havia acertado com Lula sua saída do ministério, estando em aberto apenas a data para o anúncio.

    Em seu anúncio feito esta tarde, Dirceu garantiu que continuará a realizar seu trabalho, mas em outra frente. "Não me considero fora. Irei lutar e tenho humildade para voltar à Câmara como deputado. Tenho as mãos limpas, o coração sem amargura e a mente sempre colocada naquilo que sempre lutei, pelo povo brasileiro", disse.

    Ao anunciar publicamente sua demissão, ele afirmou que voltará a ser também militante e dirigente de seu partido. "Saio de cabeça erguida. A luta continua. Não me envergonho de nada do que fiz no governo Lula. Nosso governo tem um programa econômico que tem sucesso. Precisamos apoiá-lo e sustentá-lo. Nosso partido tem um patrimônio ético que a sociedade conhece e eu defenderei este patrimônio. Agradeço a todos que me apoiaram nesses meses", afirmou Dirceu.

    O deputado federal Ricardo Zarattini Filho (PT-SP) é quem cederá a vaga a Dirceu. Zarattini havia assumido seu mandato na Câmara dos Deputados, como suplente.

    Durante o anúncio da saída do ministro, também estavam presentes no Palácio do Planalto os ministros da Coordenação Política, Aldo Rebelo, da Secretaria-Geral da Presidência da República, Luiz Dulci; das Cidades, Olívio Dutra; do Planejamento, Paulo Bernardo; das Relações Exteriores, Celso Amorim; do Gabinete de Segurança Institucional, general Jorge Armando Félix; da Fazenda, Antônio Palocci; do Trabalho, Ricardo Berzoini; da Justiça, Márcio Thomaz Bastos; e da Secretaria de Comunicação do Governo, Luiz Gushiken.

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva já teria definido também os principais critérios e objetivos da reforma ministerial e administrativa que deve anunciar em breve. Fontes oficiais citadas por meios de comunicação locais disseram que, junto com Dirceu, sairão os ministros de Coordenação Política, Aldo Rebelo; Ciência e Tecnologia, Eduardo Campos; e do Trabalho, Ricardo Berzoini. Entretanto, um ministro da coordenação do governo afirmou que o presidente Lula não deve anunciar tais mudanças até terça-feira.
     

  • Redação Terra