3 eventos ao vivo

Com poucas ações públicas, saúde animal ainda depende de voluntários

15 ago 2012
08h27
atualizado às 15h15
  • separator
  • comentários
Natália Pithan

Pouco mais de um mês após sua inauguração, o Hospital Veterinário do Tatuapé, em São Paulo - primeiro centro de saúde pública do País especializado no atendimento de cães e gatos -, é um raro exemplo de iniciativa governamental em um setor que ainda depende, em grande parte, do trabalho de voluntários. São poucos os municípios brasileiros que contam com políticas públicas voltadas para os animais. Rio de Janeiro e Porto Alegre são, até o momento, as únicas capitais onde há secretarias para lidar com o assunto.

A gaúcha Bruna Mendes (à esq), 19 anos, faz parte da rede informal de voluntários que busca dar melhores condições de vida aos animais
A gaúcha Bruna Mendes (à esq), 19 anos, faz parte da rede informal de voluntários que busca dar melhores condições de vida aos animais
Foto: Paula Zanetti Marcon / Divulgação

SP: 1º hospital público para animais do País tem grande procura

Em São Paulo, o Conselho Municipal de Proteção aos Animais é a principal representação de proteção aos bichos. As demais cidades do País contam apenas com os Centros de Controle de Zoonoses (CCZ), destinados à prevenção e à manutenção de doenças transmissíveis aos seres humanos, por meio do desenvolvimento de sistemas de vigilância sanitária e epidemiológica. Contudo, esses CCZs realizam apenas ações e programas estabelecidos pelos governos federal, estadual e municipal, sem agregar políticas específicas de proteção e bem-estar aos "pets".

Inaugurado no dia 2 de julho deste ano na zona leste de São Paulo, o primeiro hospital veterinário público do Brasil evidenciou, em pouco mais de um mês de existência, a demanda desse tipo de serviço. "Quem não tem recurso não tem a quem recorrer. O ser humano tem o SUS ( Sistema Único de Saúde ), o animal não tem nada. Hoje mudou a consciência a respeito do animal. As pessoas sozinhas os têm como companheiros. O retorno foi fabuloso e já tem candidatos à prefeitura de São Paulo sensíveis a essa questão", explica Roberto Trípoli (PV), idealizador do projeto.

O vereador paulista acredita que a repercussão da criação do hospital irá inspirar outros governos municipais a implementarem políticas públicas como a elaborada por ele. "Há, inclusive, a ideia de expandir o projeto e criar mais hospitais em outras regiões da cidade. São estimados cerca de 6 milhões de animais só em São Paulo. Não tenho dúvidas de que essa política irá refletir no resto do País. Já tenho contatos em Curitiba. Estou certo de que essa intenção vai se espalhar", afirma o parlamentar.

De acordo com Wilson Grassi Júnior, conselheiro da Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais de São Paulo (Anclivepa-SP), gestora do hospital, a necessidade da criação de políticas públicas como essa é justificável a partir de três vertentes. "A primeira diz respeito à eliminação do sofrimento dos animais que estão doentes e sem nenhum tratamento. A segunda, em contrapartida, visa à redução da angústia das pessoas, pois donos de animais enfermos que não têm condições de pagar por um tratamento acabam sofrendo por ver o bicho agonizar sem poder ajudá-lo", afirma. "A última é referente às questões de saúde pública. Animais doentes são fontes de transmissão de doenças", explica.

Secretarias municipais: ações de conscientização pela causa animal

A capital carioca foi a primeira a introduzir, em sua política municipal, uma secretaria especial para cuidar dos animais. Criada em 2000, a Secretaria Especial de Promoção e Defesa dos Animais (SEPDA), comandada atualmente por Luiz Gonzaga da Costa Leite, mantém atuantes iniciativas como o programa de esterilização gratuita Bicho Rio, o projeto para adoção Adotar é o Bicho!, o Centro de Proteção Animal e o Programa de Educação Ambiental.

Seguindo a mesma linha, a Secretaria Especial de Defesa dos Animais (Seda) de Porto Alegre, com pouco mais de um ano de existência, já conta com diversas ações protetivas. Apenas entre 3 e 9 de agosto deste ano, a Seda realizou 103 esterilizações, 117 vermifugações, 20 atendimentos clínicos e cinco cirurgias.

A mais recente iniciativa da Seda é o lançamento da Frente Parlamentar em Defesa dos Animais, em 16 de agosto. A ideia é mobilizar a sociedade quanto aos projetos voltados à causa que estão em tramitação no Parlamento gaúcho e na Câmara dos Deputados. O deputado estadual Paulo Odone (PPS), que coordenará a frente, é autor, ainda, de um projeto de lei que proíbe a utilização de cães como guardas, no Rio Grande do Sul.

Bancos de sangue e o voluntariado

No Brasil, as principais instituições de ensino superior contam com bancos de sangue animal nas faculdades de medicina veterinária. Diariamente, como em seres humanos, são necessárias bolsas de reposição sanguínea para viabilizar procedimentos médicos. Contudo, nem sempre o serviço pode ser feito de maneira gratuita, por falta de verba destinada para esse fim. "Há um custo, pois o governo não tem políticas que garantam que esse serviço seja feito gratuitamente", explica a veterinária responsável pela criação do banco de sangue animal da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Luciana Lacerda.

Luciana implementou o banco na Faculdade de Medicina Veterinária da UFRGS há sete anos, pela necessidade de um local que analisasse a fundo esse tipo de substância. Contudo, o banco foi fechado recentemente pela falta de um profissional disposto a dar continuidade ao projeto, tendo em vista a saída da veterinária. "Muito do investimento financeiro foi feito por mim mesma", ressalta.

Redes sociais
Engajada na causa como Luciana, há pouco menos de um ano, Bruna Mendes criou o projeto Open Bar Canino. Por meio das redes sociais, a jovem de 19 anos busca dar maior qualidade de assistência às principais ONGs animais de Porto Alegre. Por meio da arrecadação de ração, cobertores e roupinhas, ela dá condições às entidades destinarem forças para serviços mais complexos, como atendimento médico veterinário, cuidados básicos de saúde e medicamentos.

A estudante e a veterinária fazem parte de uma rede informal de voluntários que procura suprir a necessidade de políticas públicas de proteção e bem-estar dos animais na capital gaúcha. Esse tipo de atividade faz parte da rotina de milhares de pessoas, em todo o País, que acreditam nos animais como seres merecedores de melhores condições de vida e de assistência governamental.

A Constituição Federal, em seu artigo 225, impõe à sociedade e ao Estado o dever de respeitar a vida, a liberdade corporal e a integridade física desses seres, além de proibir práticas que os coloquem em risco ou provoquem a sua extinção. "Os animais de estimação são os únicos seres que dão todo o amor que têm e não pedem nada em troca, além de transmitir uma felicidade incrível. É impossível alguém entrar em um local que tem um cão abanando o rabo e não ficar feliz", afirma Bruna.

Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade