PUBLICIDADE

Cientistas pedem cooperação internacional e ações nacionais para o desenvolvimento sustentável global

27 nov 2013 - 22h14
(atualizado às 22h15)
Compartilhar

A Declaração Final do 6º Fórum Mundial de Ciência, que terminou hoje (27), pede que a comunidade científica faça uma autorreflexão para avaliar suas responsabilidades, deveres e regras de conduta. O evento começou no domingo e teve a participação de mais de 700 cientistas, de 120 países.

A presidenta da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Helena Nader, relata a reunião como muito intensa e proveitosa. 'Nós olhamos o mundo e discutimos como se pode fazer uma qualidade de vida melhor para o mundo em todos os aspectos, desde o meio ambiente até o ser humano'.

De acordo com Nader, os temas foram debatidos sob a perspectiva mundial, resultando em recomendações globais. Um dos principais pontos foi a sustentabilidade para promover mais igualdade entre as nações. 'Não adianta a ciência servir para poucos, a ciência global tem que estar disponível para todos. Hoje teve apresentação de países da África muito interessantes, colocando como neles o país está investindo mais em ciência voltada para resolver o problema das desigualdades. Várias propostas surgiram também em relação a isso. Como compartilhar informação'.

Outro destaque, segundo Helena, foi a promoção da educação de qualidade, que começa com a valorização do professor e a motivação da criança, além da incorporação das tecnologias dentro da escola. 'No Brasil, nós estamos tendo a criança dentro da escola. Ela está tendo acesso à alimentação mais correta, mais balanceada, mas nós não estamos motivando a criança a fazer ciência. E ciência entra em tudo. A língua é uma ciência. Nós temos que resgatar isso e aí nós vamos realmente mudar o nosso país'.

O Fórum Mundial de Ciência também discutiu questões como a qualidade de vida no envelhecimento da população e a ética na ciência, com o compartilhamento de informações. De acordo com a presidenta da SBPC, a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco), uma das parceiras do evento, recolhe os resultados da reunião e propõe programas mundias para o desenvolvimento das áreas.

Edição: Fábio Massalli

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil

Agência Brasil Agência Brasil
Compartilhar
TAGS
Publicidade