3 eventos ao vivo

‘Vou exigir que a Band dê segurança’, diz filha em velório de Santiago

13 fev 2014
11h31
atualizado às 11h37
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A filha do cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Andrade, morto após ter sido atingido por um rojão durante um protesto na quinta-feira da semana passada, disse que irá cobrar a emissora mais segurança em relação aos seus funcionários. “Não vou deixar o nome do meu pai em vão, não vou deixar a história morrer e vou exigir que a Band dê segurança aos seus funcionários”, disse Vanessa Andrade.

Essas foram as poucas palavras ditas pela jovem no velório do pai, na manhã desta quinta-feira, no Memorial do Carmo, no Rio de Janeiro. A declaração foi dada enquanto o arcebispo do Rio de Janeiro e novo cardeal da Igreja Católica, Dom Orani Tempesta, rezava uma missa de despedida do Santiago.

No dia em que foi atingido pelo rojão, Santiago estava sem capacete ou qualquer equipamento de segurança. Além disso, ele estava sozinho no meio da manifestação, que começou a ficar violenta.

Profissão ingrata
Vanessa Andrade resolveu escolher a profissão de jornalista por causa do trabalho do pai. Quando Santiago morreu, ela revelou, em uma carta aberta postada no Facebook, alguns dos momentos vividos com Santiago e revelou que ele, em um primeiro momento, foi contra a escolha da filha.

“Quando decidi ser jornalista, aos 16, ele quase caiu duro. Disse que era profissão ingrata, salário baixo e muita ralação. Mas eu expliquei: vou usar seu sobrenome. Ele riu e disse: então pode!”, escreveu ela.

Vanessa publicou o texto na segunda-feira, instantes após a morte do pai ter sido anunciada. Na carta, ela disse ainda que passou a noite se despedindo de Santiago e que os “anjinhos do céu” haviam acabado de ganhar um pai. Veja a carta na íntegra

"Meu nome é Vanessa Andrade, tenho 29 anos e acabo de perder meu pai.

Quando decidi ser jornalista, aos 16, ele quase caiu duro. Disse que era profissão ingrata, salário baixo e muita ralação. Mas eu expliquei: vou usar seu sobrenome. Ele riu e disse: então pode!

Quando fiz minha primeira tatuagem, aos 15, achei que ele ia surtar. Mas ele olhou e disse: caramba, filha. Quero fazer também. E me deu de presente meu nome no antebraço.

Quando casei, ele ficou tão bêbado, que na hora de eu me despedir pra seguir em lua de mel, ele vomitava e me abraçava ao mesmo tempo.

Me ensinou muitos valores. A gente que vem de família humilde precisa provar duas vezes a que veio. Me deixou a vida toda em escola pública porque preferiu trabalhar mais para me pagar a faculdade. Ali o sonho dele se realizava. E o meu começava.

Esta noite eu passei no hospital me despedindo. Só eu e ele. Deitada em seu ombro, tivemos tempo de conversar sobre muitos assuntos, pedi perdão pelas minhas falhas e prometi seguir de cabeça erguida e cuidar da minha mãe e meus avós. Ele estava quentinho e sereno. Éramos só nós dois, pai e filha, na despedida mais linda que eu poderia ter. E ele também se despediu.

Sei que ele está bem. Claro que está. E eu sou a continuação da vida dele. Um dia meus futuros filhos saberão quem foi Santiago Andrade, o avô deles. Mas eu, somente eu, saberei o orgulho de ter o nome dele na minha identidade.

Obrigada, meu Deus. Porque tive a chance de amar e ser amada. Tive todas as alegrias e tristezas de pai e filha. Eu tive um pai. E ele teve uma filha.

Obrigada a todos. Ele também agradece.

Eu sou Vanessa Andrade, tenho 29 anos e os anjinhos do céu acabam de ganhar um pai."

Atingido em protesto, cinegrafista tem morte cerebral
Santiago foi atingido na cabeça por um rojão durante a cobertura de um protesto contra o aumento das passagens de ônibus no Centro do Rio de Janeiro, no dia 6 de fevereiro. Além dele, outras seis pessoas ficaram feridas na mesma manifestação.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, o cinegrafista chegou em coma ao hospital municipal Souza Aguiar. Ele sofreu afundamento do crânio, perdeu parte da orelha esquerda e passou por cirurgia no setor de neurologia. A morte encefálica foi informada pela secretaria no início da tarde de 10 de fevereiro, após ser diagnosticada pela equipe de neurocirurgia do hospital onde ele estava internado no Centro de Terapia Intensiva.

Para delegado que investiga morte de cinegrafista, houve intenção de matarClique no link para iniciar o vídeo
Para delegado que investiga morte de cinegrafista, houve intenção de matar

O tatuador Fábio Raposo confessou à polícia ter participado da explosão do rojão que atingiu Santiago. Ele foi preso na manhã de domingo em cumprimento a um mandado de prisão temporária expedido pela Justiça. O delegado Maurício Luciano, titular da 17ª Delegacia de Polícia (São Cristóvão) e responsável pelas investigações, disse que Fábio já foi indiciado por tentativa de homicídio qualificado e crime de explosão e que a pena pode chegar a 35 anos de reclusão.

Raposo ajudou a polícia a reconhecer um segundo responsável pelo disparo do artefato que causou a morte do cinegrafista. O tatuador, preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, na zona oeste do Rio de Janeiro, afirmou, de acordo com o relato do delegado, que “eles se encontravam em manifestações" e que "esse rapaz tem perfil violento”.

'Profissional de imprensa vai à guerra todo dia no Rio', diz jornalistaClique no link para iniciar o vídeo
'Profissional de imprensa vai à guerra todo dia no Rio', diz jornalista

A Polícia Civil do Rio de Janeiro divulgou, na manhã do dia 11, uma foto do suspeito de ter acendido o rojão que atingiu Santiago Andrade. Caio Silva de Souza, 23 anos, tem duas passagens pela polícia e era considerado foragido desde que foi expedido um mandado de prisão temporária em seu nome. Fábio Raposo, que passou o rojão, reconheceu o autor do disparo a partir da imagem levada pelo delegado.

Procurado por homicídio doloso qualificado – quando há intenção de matar – por uso de artefato explosivo e pelo crime de explosão, o suspeito foi preso na madrugada de 12 de fevereiro em uma pousada na cidade de Feira de Santana, na Bahia. De acordo com o advogado Jonas Tadeu Nunes, que também defende Fábio Raposo, Caio Silva de Souza seguia em direção ao Ceará, para a casa de um avô, mas foi convencido a se entregar. Ele não reagiu ao ser preso.

 

Veja também:

Flagrado com dinheiro na cueca, Chico Rodrigues pede afastamento do Senado por 90 dias
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade